SEXTA-FEIRA – XXVIII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 19 OUTUBRO 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
17Out2018
| Escrito por Assis

 

SEXTA-FEIRA – XXVIII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 19 OUTUBRO 2018

Primeira leitura: Efésios 1, 11-14

Ao concluir o hino sobre o projecto salvífico de Deus, o autor introduz o conceito de «predestinação», que tantas polémicas motivou na Igreja. O termo parecerá menos ambíguo, se o lermos à luz do conceito de «herança». Estamos predestinados à salvação no sentido em que Deus, em Jesus Cristo, nos redimiu, sem qualquer mérito da nossa parte, tornando-nos herdeiros da sua própria vida. Estamos todos salvos; mas, sendo livres, podemos recusar essa herança e, por isso, excluir-nos da salvação que nos foi dada gratuitamente. Portanto, dizer que estamos predestinados, não significa dizer que estamos necessariamente salvos: «Deus, que nos criou sem nós, não nos pode salvar sem nós» (S. Agostinho).

Mas, sempre que a fé está pronta a acolher a salvação, manifesta-se a eficácia da vontade salvífica de Deus. Por isso, tanto os hebreus, como os pagãos, uma vez que acreditaram no Evangelho, tornaram-se herdeiros, recebendo, sem qualquer diferença, pelo baptismo, a antecipação dos bens futuros, isto é, o Espírito Santo, que torna possível, já na terra, a vida que havemos de viver plenamente depois da morte.

Outro termo chave, que aparece na conclusão do hino, é «glória de Deus». Este termo tem na Bíblia um significado preciso. Trata-se da manifestação da sua presença e daquilo que Ele é. Os cristãos são chamados a ser «para louvor da sua glória» (v. 14c), isto é, a deixar transparecer, na santidade da sua vida, a beleza de Deus: «Nisto se manifesta a glória do meu Pai: em que deis muito fruto» (Jo 15, 8ª).

Evangelho: Lucas 12, 1-7

Os «ai de vós» dirigidos por Jesus aos fariseus e doutores da lei têm por objectivo alertar os discípulos para a necessidade de se defenderem da hipocrisia farisaica. Não se trata de avisos de natureza moral. Lucas escreve a comunidades que vêem chegar ao fim o tempo apostólico sem que se verifique a última vinda de Jesus para instaurar o Reino de Deus, a parusia.

Além disso, essas comunidades estão ameaçadas por perseguições e por falsas doutrinas. Põe-se o problema da perseverança e da fidelidade. Lucas solicita aos cristãos um comportamento marcado pela autenticidade e pela clareza (vv. 2s.) e oferecendo-lhes uma palavra de consolação que se torna convite à confiança em Deus (vv. 4-7).

Os cristãos, ao contrário dos fariseus, devem fazer com que as suas palavras correspondam ao que pensam e sentem, professando abertamente e sem medo a sua fé, custe o que custar, porque «nada há encoberto que não venha a descobrir se» (v.2). Quando vier o Filho do homem cairão por terra as astúcias e mentiras que se tornarão causa de condenação e não de salvação. O verdadeiro risco que os cristãos correm, no meio das perseguições, não é perder a vida do corpo, mas, sim, a vida verdadeira, a vida eterna. Lucas já tinha lembrado, ao apresentar as condições para o seguimento de Jesus que «quem quiser salvar a sua vida há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por minha causa há-de salvá-la» (9, 24). Por outro lado, porque não havemos de nos abandonar a este Deus que cuida com amor das suas criaturas mais insignificantes (vv. 6s.)?

Fonte: resumo/adaptação local de um texto de “dehonianos.org/portal/liturgia