SEGUNDA-FEIRA – XXIV SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES 17 SETEMBRO 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
13Set2018
| Escrito por Assis

SEGUNDA-FEIRA – XXIV SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES 17 SETEMBRO 2018


Primeira leitura: 1 Coríntios 11, 17-26

Paulo recebeu da tradição apostólica o ensinamento sobre a instituição da Eucaristia por Jesus (v. 23) e deve transmiti-lo às várias comunidades, pois a celebração eucarística tem grande importância para a vida delas.

A eucaristia é, em primeiro lugar um chamamento, uma vocação divina: não pode reduzir-se a um simples encontro de indivíduos, ainda que motivado por razões louváveis. Pelo contrário, todas as vezes que a comunidade se reúne, obedece a um convite-mandamento do Senhor Jesus.

Mais ainda: celebrar a eucaristia é fazer memória do Senhor morto e ressuscitado, para entrarmos em comunhão pessoal com Ele.
A fórmula: «fazei isto em memória de mim» (v. 24 s.), também usada por Lucas, não deixa margem para dúvidas. Jesus não deixa aos discípulos um simples testamento, mas um verdadeiro memorial.

A eucaristia é também comer a ceia do Senhor: não pode nem deve ser alterada esta dimensão convivial da eucaristia. Foi esse o sinal escolhido por Jesus, sinal escrupulosamente respeitado pela tradição apostólica; faltando este sinal, não temos o fruto da presença sacramental de Jesus, nem a eficácia salvífica da sua morte e ressurreição.

Evangelho: Lucas 7, 1-10

Naquele Nesta narrativa, Lucas centra mais a sua atenção na fé, que alcança o milagre, do que no próprio milagre. A figura do centurião pagão assume um papel emblemático.

A fé do centurião compõe-se de humildade e confiança. Essas duas atitudes tornam-no aberto ao dom que está para receber e tornam aberta a comunidade dos discípulos de Jesus, que pode receber e incluir pessoas das mais diversas origens étnicas e sociais.
Há um pormenor que suscita a nossa atenção, até pela sua actualidade. Enquanto os anciãos recomendam o centurião a Jesus por alguns méritos que, a seus olhos, tinha adquirido («Ele merece que lhe faças isso, pois ama o nosso povo e foi ele quem nos construiu a sinagoga» (v. 4), o próprio centurião manda dizer a Jesus: «Não te incomodes, Senhor, pois não sou digno de que entres debaixo do meu tecto» (v. 6). Naturalmente, para Jesus são mais importantes estas palavras, que indicam uma grande e sincera humildade, do que as dos anciãos interesseiros.

Lucas, como Mateus, considera este acontecimento um prelúdio da chegada dos pagãos à Igreja. Isso interessa-lhe ainda mais porque ele, e só ele, há-de sentir a necessidade de dedicar a segunda parte da sua obra, os Actos dos Apóstolos, a este grande evento. Vislumbra-se a dimensão universal da salvação trazida por Jesus.
Ambas as leituras de hoje nos nos levam a pensar na Eucaristia, no lugar central que ela tem na vida da Igreja, e nas disposições de fé de e amor que exige.

Na primeira leitura, Paulo entrega às suas comunidades um precioso bem testamentário por meio de dois verbos técnico-teológicos (“receber” – “transmitir”: cf. também 1 Cor 15, 3). Que podemos aprender, para sermos comunidade eucarística, com estes dois verbos?

Em primeiro lugar, verificamos a auto-consciência apostólica de Paulo: um aspecto auto-biográfico, digamos, mas no mais elevado sentido do termo. O que interessa ao Apóstolo não é dar-se a conhecer pelas suas características pessoais, mas sim pela sua missão, de que não pode eximir-se. A transmissão da memória daquilo que o Senhor disse e fez na vigília da sua paixão é elemento essencial e irrenunciável dessa missão apostólica.~

Em segundo lugar, verificamos a centralidade da Eucaristia no tesouro de verdades que os apóstolos sentem obrigação de transmitir. É como que afirmar que as comunidades cristãs, e cada um dos discípulos, não podem viver nem testemunhar a fé, se não tiverem no centro da sua vida a Eucaristia, memória actualizante do mistério pascal, capaz de produzir a graça que significa.

Em terceiro lugar percebe-se concretamente a verdade da expressão: “A Eucaristia faz a Igreja”. Seria pouco pensar que a Igreja “faz”, isto é, celebra, a Eucaristia. Há que ir mais longe, até ao evento da Páscoa de Cris
to, de que a Eucaristia é “memória” fiel e actualizante. A celebração eucarística, memorial da Páscoa do Senhor, é o princípio da nossa comunhão fraterna e a fonte do nosso serviço apostólico, como escreve o Pe. Dehon no seu Testamento Espiritual (cf. DSP nn. 276-284).

«A celebração do Memorial da morte e ressurreição do Senhor constitui para nós o momento privilegiado da nossa fé e da nossa vocação de Sacerdotes do Coração de Jesus», dizem as Constituições (n. 80). «Fazei isto em memória de Mim» (Lc 22, 19; cf. 1 Cor 11, 24-25). É o mandamento de Jesus para trazermos ao presente o Seu mistério pascal, para actualizarmos a última Ceia e a morte de Cristo na Cruz, para nos tornarmos participantes da Ressurreição. Tudo isto acontece por obra do Espírito Santo: «O Espírito Santo recordar-vos-á tudo aquilo que vos disse» (Jo 14, 26).

«Fazei isto em memória de Mim» (Lc 22, 19) é um forte convite de Jesus para vivermos o mistério da Sua oblação: “constitui para nós o momento privilegiado da nossa fé e da nossa vocação de Sacerdotes do Coração de Jesus” (Cst. 80); a eucaristia é um convite a participarmos no sacerdócio de Cristo e no Seu estado de vítima: «Com um só sacrifício, – afirma o autor da Carta aos Hebreus – tornou perfeitos para sempre os que foram santificados» (10, 14; cf. Heb 5, 7-10).

No evangelho, escutamos a oração do centurião, que a Igreja nos faz repetir antes da sagrada comunhão: «Senhor, eu não sou digno de que entres debaixo do meu tecto» (v. 6). Jesus ficou admirado com a fé do centurião (v. 9), que de tal modo acreditava no poder da sua Palavra, que julgava desnecessária a sua presença para que o servo ficasse curado. Nós acreditamos que o poder da Palavra de Jesus O torna presente sob as espécies eucarísticas.

Fonte:  Resumo e adaptação local de um texto de Fernando Fonseca em “dehonianos.org/portal/liturgia”