Quarta-feira – V Semana –Tempo Comum – Anos Pares - 7 Fevereiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
06Fev2018
| Escrito por Assis

 

Quarta-feira – V Semana –Tempo Comum – Anos Pares - 7 Fevereiro 2018

Primeira leitura: 1 Reis 10, 1-10

Com a subida de Salomão ao trono, foi consolidada a dinastia de David (cf. 1 Re 2, 12). O Reino de Israel tornou-se esplendoroso, rico e estável. Floresceu o comércio com os povos vizinhos. O relato do encontro com a rainha de Sabá, com muitos pormenores legendários, reflecte a realidade histórica de Salomão, que estabeleceu relações comerciais com todo o Médio Oriente.
Mais do que referência a um país concreto, Sabá simboliza os confins meridionais, tal como Társis simbolizava os extremos do Ocidente. Por isso, quando o Salmo 72, 10 diz: «Os reis de Társis e das ilhas oferecerão tributos;os reis de Sabá e de Seba trarão suas ofertas», o que se pretende indicar são as amplas fronteiras do reino de Israel e, portanto, do reino messiânico. Salomão é o rei sábio, isto é, justo desse reino. A sua sabedoria veio-lhe de Deus, a Quem a pediu (cf. 3, 5-15; 5, 9-14). Por isso, a rainha de Sabá pode exclamar: «Felizes os teus homens, felizes os teus servos que estão sempre contigo e ouvem a tua sabedoria!» (v. 8).

Evangelho: Marcos 7, 14-23

Jesus dirige-se agora ao povo simples e, num segundo momento, apenas aos discípulos. Enfrenta questões legais delicadas para a mentalidade dos judeus piedosos e observantes. Jesus difere dos profetas e dos judeus de cultura helenista. Não se pode distinguir a esfera religiosa, divina, e a vida, como esfera quotidiana, que não pertence a Deus. As coisas do mundo não são «impuras» em si mesmas. São os homens que as podem tornar impuras. A comunidade de Jesus acredita na bondade da criação.
Podemos distinguir no texto três momentos: o ensinamento de Jesus à multidão (vv. 14-16); a sentença de Jesus (v. 15); o ensinamento aos discípulos (vv. 17-23); a verdadeira impureza, o coração, o catálogo dos vícios. Mas o mais importante é o comportamento dos homens diante das exigências do reino de Deus. A pureza ou a impureza das coisas depende do coração do homem. É a atitude do homem perante elas, é o uso que faz delas que as pode tornar impuras. Não há nada sagrado ou profano, puro ou impuro em si. A criação é «secular»: pode ser profana e pode ser sagrada. A sacralidade e a pureza vêm ao homem e ao mundo, não de modo automático pelo contacto com determinadas coisas, lugares ou pessoas, mas unicamente através do canal do diálogo entre Deus e o homem.

Como noutros textos do Evangelho, também hoje encontramos um enigma que não é fácil de interpretar: «Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa tornar impuro. Mas o que sai do homem, isso é que o torna impuro» (v. 15). Talvez por isso mesmo é que Jesus começou por dizer: «Ouvi-me todos e procurai entender» (v. 14).
Na lei moisaica havia muitas impurezas rituais concernentes aos alimentos. Mas também aqueles que comiam sem lavar as mãos cometiam uma impureza ritual. Daí as observações dos fariseus e doutores da lei a Jesus por causa dos discípulos, que não lavavam as mãos antes de comer. Mas também havia impurezas legais motivadas pelo que saía do homem, por exemplo, perdas de sangue. Segundo a Lei de Moisés, tudo isso contaminava o homem.
Mas a distinção de Jesus não se refere ao que o homem come ou bebe, nem àquilo que lhe sai do corpo. O que Jesus distinguia como externo ou interno tinha a ver com o físico e com o moral e espiritual no homem. No fundo, o que afirmava era que as coisas materiais são menos importantes para a pureza religiosa. Jesus dessacraliza coisas até aí consideradas sagradas. Para Jesus, tudo está relacionado com Deus, mas não deve ser sacralizado, nem ser tido em maior consideração do que a conveniente, seja um alimento, seja o gesto de lavar ou não lavar as mãos. Se quisermos, até podemos admitir que estamos perante um novo princípio da moral cristã: tudo o que faço é puro na medida em que está em relação com a pessoa do Senhor Jesus. S. Paulo dirá: «No que fizerdes, trabalhai de todo o coração, como quem o faz para o Senhor» (Cl 3, 23s.)
O homem é posto diante de si mesmo e das intenções profundas que motivam as suas opções e decisões. É colocado diante de Deus e sob o seu olhar. Por isso, não pode esconder-se. Só lhe resta deixar-se penetrar e transformar pela surpreendente novidade de Deus, quando entra na nossa vida e nos fala. Escutá-lo torna-se um critério de juízo e de discernimento.

A voz de Deus chega-nos por mediações a que devemos estar atentos. Precisamos de ouvir o que nos diz a história contemporânea, a história da Igreja. Precisamos de escutar o grito dos pequenos e dos pobres, dos indefesos da sociedade e da comunidade, o clamor dos que sofrem, dos oprimidos. Não dar atenção a esses clamores, em nome de duns tantos ritos ou normas, podemos ser um modo de fechar os ouvidos à Palavra de Deus, a Cristo, presente e vivo no meio de nós. Escutá-lo nos explorados, nos pobres, nos indefesos, pode ser ocasião para ultrapassar esquemas, que habilmente construímos para justificar o nosso desinteresse e o nosso comodismo…

«A Igreja dos pobres!», «opção fundamental pelos pobres!», são expressões que, desde o Concílio até aos nossos dias, aparecem em muitos documentos da Igreja, nos discursos dos papas, dos bispos, na boca dos sacerdotes, dos religiosos e dos cristãos comprometidos.

Senhor Jesus, Tu propões um enigma e dás a sua explicação: «Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa tornar impuro. Mas o que sai do homem, isso é que o torna impuro» (v. 15). Assim redimensionas as prescrições da Lei, fazendo convergir a nossa atenção para o interior, para o coração. É o nosso coração que deve ser purificado, porque «o que sai do homem, é que o torna impuro» (v. 15). E Tu, que vês o nosso coração, sabes que ele é mau. Por isso nos queres dar um coração novo. Com esse objectivo, vieste ao mundo, nos deste a tua Palavra, morreste e ressuscitaste por nós. Glória a Ti para sempre. Ao renovares a tua oblação, na celebração eucarística, une os nossos corações à tua oferta, a fim de que sejam purificados e reconduzidos à sua correcta orientação. Na comunhão, quando vieres até nós, renova o nosso coração. Torna-o digno do Pai. Torna-o sensível às necessidades dos nossos irmãos.