5ª FEIRA - VII SEMANA - T C - ANOS ÍMPARES - 28 .02.19

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
26Fev2019
| Escrito por Assis

 

5ª FEIRA - VII SEMANA - T C - ANOS ÍMPARES - 28 .02.19

Primeira leitura: Ben Sirá 5, 1-10 (gr 1-8)

O sábio apercebe-se da vacuidade de tantas atitudes e comportamentos, que minam a vida e inquinam a existência. Por isso, avisa os ingénuos, para que não caiam em armadilhas que causam a morte. Alguns gabam-se de ter feito o mal e de nada lhes ter acontecido.

A verdade é que, «a misericórdia e a ira do Senhor caminham juntas», e que, mais cedo ou mais tarde, «o seu furor cairá sobre os pecadores» (v. 6). É melhor estar bem informados, antes que seja tarde demais. Segue-se um decálogo negativo, que pretende barrar o caminho a decisões perigosas:

«não digas... não sigas... não vivas... não tardes... não adies... não confies...».

Estas proibições podem agrupar-se tematicamente à volta dos temas da riqueza, da força, da presunção diante de Deus. O esquema repete-se. É preciso ter cuidado em não dar excessivo valor às riquezas. Uma riqueza desonesta não garante o futuro (cf. v. 8).

Também não vale a pena usar a força com prepotência: «o Senhor te punirá certamente» (v. 3b). Pecar de modo arrogante, e confiar levianamente no perdão de Deus, esquecendo o dever do arrependimento e da conversão, é tolice.

O sábio não se cansa de pregar todas estas verdades. Há que tomar em atenção as suas avisadas palavras, porque elas, e a misericórdia de Deus, são preciosos instrumentos de renovação da nossa vida.

Evangelho: Marcos 9, 41-50

Jesus continua a sua caminhada para Jerusalém e chega a Cafarnaúm. Marcos insere aqui uma colecção de ensinamentos sobre o discipulado, aparentemente desligados entre si.

Mas neles encontramos algumas palavras-chave que os ligam uns aos outros: a expressão «em nome» de Cristo, ou «por serdes de Cristo» (v. 41), já fora anunciada no v. 37; o termo «escândalo» (v. 42) antecipa a secção seguinte (vv. 43-48); a sentença conclusiva do «sal» (v. 50) apela para o versículo anterior.

No texto que escutamos, Jesus começa a tratar do acolhimento, apontando alguns gestos simples, feitos em seu nome, porque é Ele que dá significado às acções humanas, e lhes confere valor de eternidade (v. 41).

Depois, fala do escândalo: quem põe obstáculos àqueles que ainda são frágeis na fé, merece uma pena severa. Nos vv. 43-47, Marcos adopta a linguagem paradoxal para indicar a radicalidade e a dureza do juízo: é melhor sacrificar os órgãos vitais do que aderir ao pecado e cair na condenação eterna.

As imagens do sal e do fogo servem para retomar o tema do sacrifício de si mesmo em vista da preservação ou da purificação do pecado. A sabedoria de Cristo deve dar sabor a todas as nossas acções; o fogo do amor deve arder sempre para pôr a nossa vida ao serviço da comunhão.

É preciso dispor-se a perder... para tudo ganhar: «quem quiser salvar a sua vida, há-de perdê-la; mas, quem perder a sua vida por causa de mim e do Evangelho, há-de salvá-la» (Mc 8, 35).

O sábio da primeira leitura adverte-nos que não se pode brincar com a vida porque só temos uma. Há comportamentos que têm as suas consequências. Há caminhos sem regresso.

Ben Sirá insiste numa educação preventiva: mostra o engano de certas opções e, indirectamente, aponta o caminho certo. A riqueza, por exemplo, não é um baluarte inexpugnável. Por isso, não convém pôr nela uma confiança cega e absoluta.

O discurso de Jesus, que escutamos no evangelho de hoje, não é menos severo. Se não devemos ser fundamentalistas, aplicando-o literalmente, não podemos menosprezar-lhe o conteúdo. Se não devemos lançar-nos ao mar com uma pedra de moinho ao pescoço, se não devemos cortar à machada a mão ou o pé, ou arrancar um dos olhos, não podemos hesitar diante de algumas privações exigidas em vista do nosso progresso espiritual.

A palavra de Jesus alerta-nos para a falta de coerência em que facilmente caímos, e lembra-nos a verdade do que lemos na Carta aos Hebreus:

«a palavra de Deus é viva, eficaz e mais afiada que uma espada de dois gumes; penetra até à divisão da alma e do corpo, das articulações e das medulas, e discerne os sentimentos e intenções do coração» (Heb 4, 12).

A palavra de Deus é um verdadeiro bisturi. Como o médico o usa para salvar o seu doente, assim Jesus usa a sua palavra para salvar a nossa vida:

«mais vale entrares mutilado na vida, do que, com as duas mãos, ires para a Geena» (v. 43).

A intenção de Jesus, expressa em linguagem metafórica, é positiva: quer libertar-nos, quer dar-nos a vida! Cada um deve discernir o que precisa de cortar para "entrar na vida". Para uns e; uma relação ambígua, para outros certos espectáculos ou leituras, para outros ainda o modo como tentam ganhar espaço no campo da política, ou tentam acumular dinheiro...

A estes últimos S. Tiago lembra que as riquezas podem constituir um grande perigo:

«E agora vós, ó ricos, chorai em altos gritos por causa das desgraças que virão sobre vós. As vossas riquezas estão podres e as vossas vestes comidas pela traça. O vosso ouro e a vossa prata enferrujaram-se e a sua ferrugem servirá de testemunho contra vós» (Tg 5, 1-3ª.)

O apóstolo chega mesmo ao sarcasmo:

«Tendes vivido na terra, entregues ao luxo e aos prazeres, cevando assim os vossos apetites... para o dia da matança!» (Tg 5, 5).

Escutemos as palavras do Sábio, as palavras do Apóstolo e, principalmente, as palavras de Jesus. Não façamos como a avestruz que, ao ver o perigo, enterra a cabeça na areia.
Como cristãos devemos dar um testemunho claro de pobreza afectiva e efectiva no nosso mundo tão marcado por uma mentalidade materialista e paganizante. Não é um testemunho fácil, porque não se reconhece o valor da pobreza evangélica. Mas é necessário. Sem ele, podem ficar ofuscados outros ideais evangélicos! Mais do que negar o valor das coisas, a nossa pobreza é uma afirmação do valor supremo que é Deus. «Só Deus», repetia Rafael Arnaiz, monge trapista recentemente canonizado.