2ª FEIRA - III SEMANA - TC - ANO IMPAR

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
24Jan2019
| Escrito por Assis

 

2ª FEIRA - III SEMANA - TC - ANO IMPAR

Primeira leitura: Hebreus 9, 15.24-28

Cristo é o mediador da nova aliança. O sumo sacerdote da antiga aliança, em nome de todo o povo, entrava em relação directa com Deus por meio de sacrifícios e vitimas animais, levava-Lhe as ofertas e trazia à assembleia a bênção divina em sinal de reconciliação. Cristo, sumo sacerdote da nova lei, é, agora, o mediador entre Deus e a humanidade. Há, pois, continuidade entre a antiga e a nova aliança.

Mas também há descontinuidade: Jesus não é apenas sacerdote da nova aliança; é também vítima. Na paixão, entregou-se a Deus pelos pecadores. Não ofereceu sangue de outros, mas o seu próprio sangue. A perfeição do sacrifício de Cristo está na origem da sua unicidade e da unicidade da nova aliança estabelecida por meio dele. A sua actividade sacerdotal completa-se na cruz. Na Ascensão, entra no «Santo dos santos», que não é um templo construído por mãos humanas, mas o próprio Céu, e lá permanece Cordeiro imolado, mas de pé, diante de Deus para interceder por nós (cf. Ap 5, 6). O pecado perdeu toda a sua força. Para todos foi aberto o «caminho novo» (Heb 10, 20) para regressar ao Pai.

Evangelho: Mc 3, 22-30

O «tribunal» vindo de Jerusalém, não podendo negar a evidência prodígios que Jesus operava, insinua que é por Belzebu que Ele expulsa os demónios. Jesus enfrenta decidida e corajosamente os seus caluniadores, ainda que «em parábolas», para os refutar. Evidencia as suas contradições: se fosse Satanás a expulsar Satanás, não era preciso estar preocupados com ele, porque o seu poder tinha chegado ao fim.
As palavras de Jesus, cheias da ironia, que Marcos várias vezes anota, são uma profecia: efectivamente o reino de Satanás estava prestes a findar, porque se aproximava o reino dos céus, ou melhor, já estava presente.

Libertar os pecadores do poder de Satanás e da escravidão do pecado era um sinal claro de que Jesus actuava em nome de Deus. Dizer que actuava pelo poder do «espírito maligno» era blasfemar contra o Espírito Santo.

A Carta aos Hebreus apresenta-nos o fundamento da unidade pela qual a Igreja reza: o único sacrifício de Cristo. O autor insiste em dizer que Cristo sofreu uma só vez: «apareceu uma só vez para destruir o pecado pelo sacrifício de si mesmo» (v. 26). Sendo assim, a Missa, que é o sacramento do único sacrifício de Cristo, é o fundamento da unidade. Quando participamos na Eucaristia, havemos de oferecer o sacrifício de Cristo pela unidade de todos os que acreditam n´Ele.

É bom rezarmos pela unidade da Igreja, particularmente neste tempo em que as diversas tradições cristãs o fazem. Mas o tema que unifica as duas leituras é o destino do homem, a sua salvação eterna ou condenação eterna. Ainda que frágil como a erva do campo, o homem não foi criado apenas para um breve respiro na terra. O seu destino é viver para sempre. Para sempre. A desproporção entre a nossa pequenez e a grandeza do nosso destino pode assustar-nos. Por isso, facilmente somos tentados a redimensionar a nossa vida, reduzindo-a ao tempo presente, satisfazendo-nos com um bom trabalho, honestas relações com os outros e pouco mais. Mas isso não chega! Ainda que tantas vezes sufocado, persiste em nós o desejo de infinito: o Espírito que habita em nós clama que fomos feitos para um amor sem medida. O homem está realmente condenado à santidade ou ao desespero. Mas, que é a santidade?

O evangelho diz-nos, de modo muito simples, que ela é comunhão com Jesus. Então tudo muda de figura: quando rezo, estou com Jesus diante do Pai para adorar, interceder, dar graças; quando trabalho, estou com Jesus ao serviço do meu próximo; quando sofro, participo na paixão de Jesus para salvação do mundo; quando chega para mim a hora da morte, estou unido à morte redentora de Cristo, entro na sua páscoa e antegozo a alegria de ver descoberto o rosto d´Aquele que me amou e Se entregou por mim.
Fonte: “dehonianos.org/portal/liturgia/”