5ª- FEIRA T C - ANOS ÍMPARES - II SEMANA - 24 JANEIRO 2019

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
23Jan2019
| Escrito por Assis

 

5ª- FEIRA T C - ANOS ÍMPARES - II SEMANA - 24 JANEIRO 2019

Primeira leitura: Hebreus 7, 25-8, 6

O autor da Carta aos Hebreus apresenta-nos Jesus como o Sumo sacerdote de que precisávamos, um Sumo sacerdote «santo, inocente, imaculado» (v. 26). Ao contrario dos sumos sacerdotes do Antigo Testamento, Ele não precisa de oferecer um sacrifício pelos seus pecados, antes de o oferecer pelos nossos, porque ofereceu a Si mesmo perfeitamente, completamente, de uma vez para sempre imolando-se na cruz.

E chegámos ao ponto capital de tudo o que o autor vai dizendo: Jesus que assumiu plenamente a natureza humana, é e permanece eternamente o Filho sentado à direita do Pai, sempre vivo a interceder por nós.

O que era apenas sombra e figura no Antigo Testamento foi perfeitamente realizado porque, em Jesus, Deus veio ao nosso encontro para nos aproximar d´Ele. Em Cristo, coincidem o oferente e a oferta, o sacerdote e a vítima, realizando uma mediação única e extraordinária entre Deus e o homem. Cristo ofereceu-Se a Si mesmo pelo sacrifício da entrega da sua vida, que teve lugar de uma vez para sempre.

Evangelho: Marcos 3, 7-12

Nos textos escutados nos últimos dias, Jesus mostra que é inútil querer aproveitar as instituições judaicas para nelas infundir a novidade evangélica do reino de Deus. Então retira-se para o mar de Genesaré. A sua acção, que até aí se desenvolvera na sinagoga, ou perto dela, abria-se agora a horizontes mais vastos. Começa uma nova secção do evangelho de Marcos.

A actividade de Jesus alarga-se e causa admiração nas multidões que O rodeiam com tal entusiasmo que põem em risco a sua integridade física. Jesus tem de pedir aos discípulos que Lhe aprontem um barco para se precaver. Mas o entusiasmo das multidões é ainda superficial, porque não leva à decisão da fé (6, 6). São pessoas que sofrem de várias doenças e que se lançam sobre Ele (cf. v. 9) como que para Lhe arrancar uma força benéfica que os cure.

Os demónios aproveitam a situação para encenar uma grande propaganda sobre Jesus: «Tu és o Filho de Deus» (v. 11). Dizem a verdade, mas de um modo que a tornam vã. Querem antecipar a glória de Jesus para tentar evitar a cruz que a torna verdadeira. Mas Jesus proíbe-os de falarem d´Ele.

Jesus não é um curandeiro, mas o enviado do Pai que narra o que Deus quer dar a conhecer de Si mesmo, e o que realmente pede aos homens, inclusivamente nos seus actos religiosos.

Marcos descreve a multidão que precipitadamente envolve Jesus, levando-O a entrar numa barca para não ser molestado. O Senhor atrai pela sua bondade, pelo seu poder, gente da Galileia, da Judeia, de Jerusalém, mas também de regiões mais afastadas, como a Idumeia, a Transjordânia, Tiro e Sidon, terras pagãs. Vinham para obter a cura dos seus doentes e para alcançar a paz de Deus para os seus ansiosos corações.

A Carta aos Hebreus abre outra perspectiva a quem se sente aflito pelas doenças e outras provações da vida. Falando de Jesus, afirma:

«Tal é o Sumo Sacerdote que nos convinha: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado acima dos céus» (v. 26).

O Filho de Deus fez-se homem para realizar um acto único, perfeito, agradável ao Pai, oferecendo-Se a Si mesmo na fraqueza, na morte. Toda a sua existência, que culminou no dom de Si mesmo na cruz, tem a ver connosco, com a nossa vida, com as nossas canseiras e sofrimentos. Não vale a pena vivê-los afogados em vãos lamentos, em mal reprimida insatisfação. É melhor lançá-los generosamente no tesouro do seu generoso sofrer por amor, naquele acto perene que o torna sempre vivo a interceder por nós. Não há efectivamente ocupação ou adversidade que possa impedir-nos de lançar o olhar do nosso coração para a sua cruz e encher-nos da força de um acto de renovada adesão à vontade do Pai. Só assim saborearemos a doçura de ser curados das chagas do nosso cansaço para reencontramos a alegria de sermos filhos no Filho.

O texto de Marcos termina com os demónios a quererem revelar, antes do tempo, a identidade de Jesus e a sua grandeza. O Senhor opõe-se severamente porque sabe que a sua obra exige o sacrifício de Si mesmo, e que a sua dignidade de Filho de Deus só poderá ser verdadeiramente revelada na cruz. É o que também nos diz a primeira leitura:

«Ele não tem necessidade, como os outros sacerdotes, de oferecer vítimas todos os dias, primeiro pelos seus próprios pecados e depois pelos do povo, porque Ele o fez uma vez por todas, oferecendo-se a si mesmo» (v. 27).

Cristo realizou o culto perfeito, que não é apenas um símbolo como o antigo culto dos sacerdotes hebreus, que apenas era «uma imagem e uma sombra das realidades celestes» (v. 5). Ele recebeu um ministério mais elevado, que realiza de verdade o projecto de comunhão com o sacrifício de Si mesmo.

Na oração sacerdotal, Jesus mostra-se consciente da obra que tem para realizar «santificando a Si mesmo», isto é, sacrificando a sua vida. O Filho de Deus não assumiu a natureza humana só para curar as nossas doenças. Assumiu-a, sobretudo, para transformar a nossa natureza e restabelecer a relação entre Deus e nós.

Como escreve o autor da Carta aos Hebreus, Cristo recebeu «um ministério tanto mais elevado, quanto maior é a aliança de que é mediador, a qual foi estabelecida sobre melhores promessas» (Heb 8, 6).

Em cada missa, havemos de aproximar-nos de Cristo com a pressa impaciente das multidões da Palestina e das regiões próximas, não só para que nos cure, mas para que nos ajude a descobrir um novo sentido para os nossos sofrimentos e, sobretudo, a uni-los aos seus para glória e alegria do Pai e salvação do mundo. O seu sacrifício, oferecido uma só vez, está à nossa disposição, para nos curar de todos os males, mas também para nos dar a graça necessária para transformar a nossa vida, com Ele, n´Ele e por Ele, oferta viva, santa e agradável.

Fonte: “dehonianos.org/portal/liturgia”