SEXTA-FEIRA - IV SEMANA -T C- ANOS ÍMPARES - 8 FEVEREIRO 2019

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
06Fev2019
| Escrito por Assis

SEXTA-FEIRA - IV SEMANA -T C- ANOS ÍMPARES -

8 FEVEREIRO 2019

Estamos a chegar ao fim da Carta aos Hebreus. O seu autor dá orientações concretas para a vida dos cristãos: perseverança no amor fraterno, hospitalidade, ajuda aos presos e a outros que estão em situação de sofrimento. Todos formam connosco um só corpo. Depois, trata da santidade com que o matrimónio há-de ser vivido. Ele é, de facto, um caminho de santidade. Prossegue alertando para a tentação de nos deixarmos envolver pela avareza. Jesus é a nossa verdadeira riqueza. O Pai sabe do que precisamos.

Finalmente, há que recordar aqueles que nos pregaram o Evangelho e a heroicidade do seu testemunho. A fé em Jesus morto e ressuscitado por nós muda a nossa vida e as relações, dando plenitude à história humana: «Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e pelos séculos» (v. 8).

Evangelho: Mc 6, 14-29

Flávio José diz-nos que Herodes Antipas, temendo possíveis desordens políticas desencadeadas pelo movimento de João Baptista, prendeu o profeta em Maqueronte, onde o mandou executar. O relato de Marcos, mais subjectivo, e menos exacto, levou a ver João Baptista apenas como vítima da vingança de uma mulher irritada.

O segundo evangelho apresenta-nos Herodes que, atormentado pelos remorsos, julga reconhecer em Jesus o profeta que mandara matar (v. 16). E assim começa a narrativa do martírio de João, mais longa que a de Mateus ou a de Lucas: prisão, acusação, denúncia corajosa do rei pelo profeta (vv. 18-20), trama de Herodíades que usa Salomé, fraqueza de Herodes, sentença de morte e execução da mesma (vv. 26-28).

Mas o remorso persegue o rei. O relato termina com um toque de piedade: o corpo do profeta é entregue aos discípulos que lhe dão sepultura (v. 29).

Esta narrativa popular realça a atitude ridícula de Herodes, por um lado, escravo das suas paixões, e, por outro, interessado na figura austera de João Baptista. Para Marcos, o martírio de João, e a liquidação do seu movimento, indica que a comunidade cristã, criada por Jesus, era completamente nova, ainda que conservasse a memória veneranda do maior de todos os profetas.

Quase a concluir a Carta aos Hebreus, o seu autor exorta aqueles a quem se dirige a viverem na caridade, na castidade, na pobreza e na obediência. É o ideal de uma vida realmente cristã, a que todos os baptizados são chamados. Os religiosos apenas radicalizam a vivência desse ideal.

Em primeiro lugar, a caridade: «Permanecei na caridade fraterna» (v. 1). E o nosso autor concretiza: «Não vos esqueçais da hospitalidade» (v. 2), «lembrai-vos dos presos» (v. 3). A caridade é expressão do amor divino recebido e comunicado, um amor generosos, participativo, constante.

A castidade: «Seja o matrimónio honrado por todos e imaculado o leito conjugal, pois Deus julgará os impuros e os adúlteros» (v. 5). O autor fala da castidade dos casados. A castidade dos casados estimula a dos religiosos. Mas a castidade dos religiosos, por sua vez, é sinal, ajuda, força para os outros.

A pobreza: «Vivei sem avareza, contentando-vos com o que possuís» (v. 5). O espírito de pobreza, próprio de todos os cristãos, e a pobreza dos religiosos, vivida coerentemente, manifestam a nossa confiança em Deus:

«Assim, podemos dizer confiadamente:O Senhor é o meu auxílio; não temerei...» (v. 6).


A obediência: «Recordai-vos dos vossos guias» (v. 7), dos vossos chefes. Mas adiante lê-se: «Sede submissos e obedecei aos que vos guiam... que eles o façam com alegria e não com gemidos, o que não seria vantajoso para vós» (v. 17).

Na caridade, na castidade, na pobreza e na obediência, vividas segundo a graça e a vocação de cada um, todos os discípulos de Cristo hão-de tornar-se dom total a Deus e aos irmãos, tal como Jesus. De qualquer modo, cada um de nós é chamado a morrer a si mesmo, ao homem velho, ao egoísmo e ao orgulho que nos impede de viver com a disposição e a atitude de João Baptista que dizia: «Ele é que deve crescer, e eu diminuir» (Jo 3, 30).

Fonte>: Resumo e adaptação de “dehonianos.org/portal/liturgia/”

 

QUINTA-FEIRA - IV SEMANA – TEMPO COMUM – ANOS ÍMPARES –

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
04Fev2019
| Escrito por Assis

QUINTA-FEIRA - IV SEMANA –

TEMPO COMUM – ANOS ÍMPARES –

Primeira leitura: Hebreus 12, 18-19.21-24

O cristão deve estar consciente do seu estado. Para o ajudar, o autor da Carta aos Hebreus propõe-nos uma última oposição entre a antiga e a nova aliança servindo-se de dois lugares simbólicos: o monte Sinai e o monte Sião. Os dois montes expressam dois modos diferentes de se aproximar de Deus.

A primeira teofania aconteceu num lugar impressionante, a montanha do Sinai, com os seus granitos vermelhos, as suas nuvens de tempestade, a queda dos raios, o fulgor dos relâmpagos e o fragor dos trovões impressionaram vivamente o povo habituado às calmas planícies do Egipto. O próprio Moisés se encheu de temor e tremor (cf. Dt 4, 11 e 5, 22 LXX; Ex 19, 16 e 20, 18).

A experiência dos cristãos é muito diferente. Eles aproximaram-se de outro monte, o Sião, alegria de toda a terra (cf. Sl 48, 2-4), da santa Jerusalém (cf. Sl 122), para o qual, desde sempre, Deus queria conduzir o seu povo para fazer comunhão com ele, no encontro festivo dos anjos e dos santos.

Os cristãos podem ser admitidos nesse lugar “celeste”, graças à conversão e ao baptismo que nos introduziram na morte e na ressurreição do único «Mediador da nova aliança», Jesus Cristo. O seu sangue inocente torna-nos também a nós “perfeitos”, isto é, agradáveis ao Pai na obediência e no amor.

Evangelho: Mc 6, 7-13

A proclamação do reino não se faz de modo ocasional. Jesus cria uma «instituição» que põe em movimento e planifica o anúncio da Boa Nova. São os Doze que, depois da visita a Nazaré, Jesus envia em missão, dando-lhes os seus próprios poderes (cf. v. 7).
Distinguimos no texto três momentos: no primeiro, Jesus dá orientações quanto ao estilo de vida dos missionários: não devem levar provisões, mas confiar na generosidade daqueles a quem se dirigem; no segundo, define o método de pregação: deter-se em casa de quem os acolhe, mas abandonar sem lamentações as daqueles que os não recebam; o terceiro momento é o da execução: os discípulos partem, pregam a conversão, fazem exorcismos e curas com sucesso (vv. 12s.).

Contentar-se com o essencial da vida, que se apoia na absoluta confiança no Senhor, é condição indispensável para estar ao serviço da Palavra. Isto tem a ver com cada um dos missionários, mas também com a própria Igreja que, não só há-de ser Igreja dos pobres, mas também Igreja pobre.

O autor da Carta aos Hebreus insiste no privilégio de termos entrado na intimidade divina: «Vós, porém, aproximastes-vos do monte Sião e da cidade do Deus vivo, da Jerusalém celeste, de miríades de anjos, da reunião festiva, da assembleia dos primogénitos inscritos nos céus, do juiz que é o Deus de todos, dos espíritos dos justos que atingiram a perfeição, de Jesus, o Mediador da Nova Aliança» (vv. 22-24a).

A tomada de consciência desta situação há-de encher-nos de alegria. O Mediador da nova aliança, Jesus, possibilitou-nos esta comunhão, esta paz, este amor luminoso. É, sobretudo, na celebração da Eucaristia que vivemos este mistério, aproveitando a presença do Mediador para entrarmos cada vez mais profundamente nele e lhe saborearmos os frutos.
Fonte: “dehonianos.org/portal/liturgia”

   

QUARTA-FEIRA IV SEMANA – TEMPO COMUM – ANOS ÍMPARES –

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
02Fev2019
| Escrito por Assis

 

QUARTA-FEIRA IV SEMANA – TEMPO COMUM – ANOS ÍMPARES –

Primeira leitura: Hebreus 12, 4-7.11-15

O autor da Carta aos Hebreus continua a encorajar na fé os seus destinatários. Sofrimento pelo sofrimento? Não! Seria um absurdo, pois é sempre uma privação, algo de negativo. Por isso, o nosso autor, que já ilustrou a dimensão teológica do sofrimento, vai agora tratar do seu aspecto mais imediato, que é o pedagógico. A provação pode parecer dura, pesada.

Mas há uma chave de leitura que nos permite descobri-la como positiva: a provação é fruto de amor. Se o Senhor permite provações, é para nos fazer crescer na dimensão filial. Por isso é que Jesus veio falar-nos do coração de Deus e revelar-nos o rosto do Pai. A relação de Deus connosco é sempre a relação de um Pai bom para com os seus filhos.

Se corrige, é para nos educar. É um sinal de amor de Alguém que Se inclina sobre o filho vacilante para o tornar estável e forte. Só quem ama é capaz de intervir em prol do nosso verdadeiro bem, mesmo que nos faça sofrer. O sofrimento momentâneo é prelúdio de uma grande alegria.

Evangelho: Mc 6, 1-6

Depois de apresentar alguns milagres de Jesus, Marcos abre uma nova secção do seu evangelho para falar de uma série de viagens, dentro e fora da Galileia. Começa por ir à «sua terra», a Nazaré e, em dia de sábado, entra na sinagoga. Usa o direito de comentar a Escritura na sinagoga, que era reconhecido a qualquer homem adulto.

Mas a sua doutrina é diferente da dos outros rabis. Marcos não cita, ao contrário de Lucas (4, 17ss.) os versículos de Isaías lidos por Jesus. Mas regista o espanto de quantos o ouviram. Esse espanto era motivado pela origem das palavras pronunciadas por Jesus, pela sabedoria que demonstrava e pelos prodígios que fazia. Tudo parecia estar em contradição com o conhecimento que tinham dele e da sua família. Mas é nesta contradição que se revela a verdadeira identidade de Jesus (v. 3).

Também os profetas foram muitas vezes perseguidos por aqueles que tinham maior obrigação de os compreender (v. 4). A falta de fé dos seus conterrâneos impede Jesus de fazer entre eles milagres e prodígios, como tinha feito noutras terras.

A fé é condição necessária para que Jesus possa actuar e conceder as suas graças. Por isso é que Jesus não pôde realizar prodígios entre os seus conterrâneos: «Não pôde fazer ali milagre algum… Estava admirado com a falta de fé daquela gente» (vv. 5-6).

A primeira leitura lembra que, também nós, podemos deter-nos nas aparências contrárias e não reconhecer as intervenções de Deus na nossa vida e na vida do mundo. Quando nos encontramos no meio de provações, que nos parecem incompreensíveis e mesmo absurdas, ficamos inquietos e facilmente sucumbimos à tentação contra a fé.

A Palavra de Deus, hoje, ajuda-nos a permanecer firmes. Não nos dá respostas directas para cada caso de sofrimento, mas convida-nos a reencontrar aquela atitude filial que, nos momentos de dor, nos permite reconhecer a mão de um Deus que é, acima de tudo, Pai. O homem é homem pelo mistério da sua liberdade. Deus jamais lhe retira esse dom, mas ajuda-o a crescer numa atitude de confiança e de abandono n´Ele, mesmo quando nos vemos em situações de lágrimas e sangue.

Nem Jesus, o Filho predilecto, santo e inocente foi poupado: «O castigo que nos salva caiu sobre ele, fomos curados pelas suas chagas» (Is 53, 5).


Não há provação tão dolorosa que não nos permita lançar sobre Ele o nosso olhar para reencontrarmos nas suas lágrimas de compaixão a certeza de que o sofrimento, a dor, os sofrimentos não são maldição, mas caminho que o próprio Amor nos faz percorrer, no seu abraço sem fim.

Não podemos compreender! Deus é Deus e, diante d´Ele, diante dos seus insondáveis caminhos, há apenas que assumir uma atitude de adoração e de fé. O maior escândalo para o nosso coração consiste em que, não só o sofrimento não nos seja retirado, mas que o próprio Deus tenha vindo para meio de nós em pobreza, insignificância, a derramar as suas lágrimas humanas de Filho.

A Carta aos Hebreus já nos disse como Jesus quis aprender a obediência pelas coisas que sofreu, quis conhecer aquela educação dolorosa que nos é necessária. Quando, por nosso lado, vivemos estes momentos de dolorosa educação, estamos unidos a Ele de modo especial e podemos crescer muito no seu amor.

Fonte: “dehonianos.org/portal/liturgia”

 

TERÇA-FEIRA – – IV SEMANA - T C – ANOS ÍMPARES–05.02.2019

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
31Jan2019
| Escrito por Assis

 

TERÇA-FEIRA – – IV SEMANA - T C – ANOS ÍMPARES–05.02.2019

Primeira leitura: Hebreus 12, 1-4

O convite à perseverança na fé não é feito a partir de conceitos abstractos, mas de modelos. A «nuvem» de testemunhos apresentada pelo autor ajuda, conforta, sustenta. Encoraja, sobretudo, o exemplo de Jesus, modelo supremo, «autor e guia da fé» (v. 2) e seu «consumador». Ele precede-nos na «prova» para Deus que, como uma qualquer corrida desportiva, deve ser realizada nas devidas condições.

Há que dispensar tudo quanto dificulte essa corrida, sobretudo o pecado, e ter bem fixos os olhos na meta. Uma vez que Jesus é a meta, o caminho e Aquele que nos precede, há que considerar atentamente o seu percurso e seguir-Lhe os passos. Ele atravessou a humilhação e o sofrimento, a submissão ao ódio e à maldade para lhes suportar o peso com amor redentor. Esse foi o itineráro que percorreu para chegar à alegria e à glória, à direita do Pai (v. 2b). Quem O segue, jamais deve afastar d´Ele os olhos para ter força e perseverar numa fidelidade radical.

Evangelho: Mc 5, 21-43

.

Marcos apresenta-nos, hoje, dois gestos decisivos de Jesus contra a morte: a cura da mulher que sofria de um fluxo de sangue e a cura da filha de Jairo. A perda de sangue era, para a mulher hebreia, uma frustração vital, porque, não poder ter descendência, equivalia à morte prematura (cf. Gn 30, 1). A filha de Jairo estava mesmo morta e teve que ser «ressuscitada». Jesus livra ambas da morte mostrando que é o verdadeiro Messias, porque a sua palavra suscita vida.


Os dois episódios estão entrelaçados um no outro, revelando pontos de contacto e diferenças. No caso da filha de Jairo, a súplica do pai recebe uma resposta pronta de Jesus, que imediatamente se dirige para sua casa. Mas a caminhada é abruptamente interrompida com a intervenção da mulher que sofria do fluxo de sangue.

Contrasta o comportamento de Jairo, homem influente, e o da mulher que sofria de um fluxo de sangue, que se aproxima furtivamente de Jesus. Mas ambos têm a mesma confiança em Jesus e obtêm uma resposta pronta. A mulher, primeiro é secretamente curada da sua doença física; depois é curada da sua timidez, dos seus complexos: ganha coragem, fala com Jesus, estabelece uma relação com Ele. Foi curada e foi salva.

No caso da menina, Jesus tem uma reacção diferente: enquanto tinha incitado a mulher, que se apresentara em segredo, a mostrar-se diante de todos, aqui ordena a Jairo, que fizera publicamente o seu pedido, que não divulgasse o milagre.

O autor da Carta aos Hebreus recorre, hoje, a uma imagem desportiva para descrever a nossa situação. Estamos no estádio, disputamos uma grande corrida e somos observados por muitos espectadores, os santos, os que já atingiram a meta e nos olham do Paraíso.

O autor exorta-nos a correr «tendo os olhos postos em Jesus, autor e consumador da fé» (v. 2). É a atitude fundamental de quem quer vencer: ter os olhos fixos em Jesus. Quando pensamos no exemplo dos santos, dos mártires, e sobretudo de Jesus na sua paixão, morte e ressurreição, todas as dificuldades nos parecem pouca coisa. «Considerai aquele que sofreu tal oposição por parte dos pecadores» (v. 3), recomenda o autor.
A nossa fé é sempre frágil, fechada nos limites estreitos do nosso medo em enfrentar situações que nos ultrapassam. Precisamos de entrar em contacto com o «autor» e «consumador» da nossa fé.

O primeiro modo de entrar em contacto com Jesus é ter os olhos fixos n´Ele. Mas á um segundo modo, que consiste em falar-Lhe, pedir-Lhe que intervenha nas nossas dificuldades, que manifeste o seu poder nas nossas enfermidades, como fez Jairo. Diz-nos o evangelho que «se prostrou a seus pés e suplicou instantemente: «A minha filha está a morrer; vem impor-lhe as mãos para que se salve e viva» (vv. 22b-23).

Outro modo é o usado pela mulher doente. Tem vergonha de falar da sua doença, mas quer ser curada por Jesus. Por isso, vai por detrás, procurando um contacto discreto: «Se ao menos tocar nem que seja as suas vestes, ficarei curada» (v. 28). Jesus aproveita para sublinhar que não é o simples contacto que salva, mas a fé: «Quem tocou as minhas vestes?»(v. 31), perguntou. E, quando a mulher confessou o seu gesto, Jesus pronunciou a palavra iluminadora: «Filha, a tua fé salvou-te» (v. 34). Não basta tocar em Jesus; é preciso tocar-Lhe com fé. Não basta receber a Eucaristia; é preciso recebê-la com fé.
É assim que as leituras de hoje nos revelam quanto é importante, e necessário, o contacto com Jesus, na fé.

Fonte: “dehonianos.org/portal/liturgia

   

Pág. 3 de 240