PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
02Maio2013
| Escrito por Assis

Pe. Janivaldo, S. E. Dom Geraldo, Dom Francisco e Pe. Aldemar Rover

De 28 de Abril a 2 de Maio de 2013, S. E. Dom GERALDO MAJELLA AGNELLO, Cardeal Arcebispo Emrito de S. salvador da Bahia (Brasil) e Fundador da Pastoral da Criana, acompanhado pelo Pe. Aldemar Rover, Assesor da referida pastoral e de D Jlia, secretria do sr. Cardeal, visitou a Diocese de Gure.

Nos dias 28 e 29 de Abril, D. Geraldo esteve na Parquia de S. Pedro Claver, onde manteve diversos contactos com os lderes e animadores das comunidades e da pastoral da Criana, com a Comuniadade dos Missionrios Claretianos e com as autoridades locais.

No dia 30 esteve no Alto Molcue, ondem visitou o Centro Juvenil Leon Dehon dos Padres Dehonianos. Na parte da tarde viajou para o Gur, chegando Casa Diocesana j noite, onde foi recebido por D. Francisco Lerma, o Bispo da Diocese., e pernoctou.

Dom Geraldo no Seminrio Diocesano de S. Jos

No primeiro de Maio, visitou e manteve diversos encontros na Cidade de Gur.

A primeira hora da manh, reuniu com o Bispo e o Vigrio Geral para apresentar a organizao e as actividades da Pastoral da Criana.

D. Geraldo e D. Francisco com os Seminaristas do Seminrio de S. Jos

Logo seguir, D. Geraldo e a sua comitiva visitaram as novas instalaes reabilitadas do Secretariado Diocesano de Pastoral e da Rdio Diocesana.

Na parte da tarde, o Sr. Cardeal visitou o Lar Arco Iris, para crianas rfs, da Associao Me do Redentor, a Casa Famlia, para as crianas da rua. Tabm fez visita de cortesia na sua moradia a D. Manuel Chuanguira, Bispo Emrito.

As crianas do Lar "Arco Iris" durante a Visita do Sr. Cardeal

Mais tarde S. Eminncia reuniu com o pessoal misisonrio que reside e trabalha na cidade de Gur.

s 18.00H, presidiu a solene Eucaristia na S Catedral, em honra de S. Jos Operrio, cuja festividade celebra hoje a Igreja. Foi concelebrada pelos Bispos D. Francisco e D. Manuel, pelos sacerdotes e pelos residentes na cidade, nomedamente o Pe, Francisco Cunlela, Vigrio geral, o Pe. Daniel Alexandre Ral, proco da Catedral, Pe. Jlio Pedro, proco de Invinha, Pe. Manuel Nassuruma, capelo da Capelania de S. Isidoro Bakanja e pelo Pe. Luciano Cominotti, Administrador Diocesano e director do lar Casa Famlia.

Dom Geraldo com as Religiosas da cidade de Gur
Na Quinta Feira, dia 2 de Maio, D. Geraldo e comitiva, acompanhados pelo Pe. Janivaldo, CMF, Proco da parquia de S. Pedro Claver de Muiane (Alto Ligonha), deixaram Gur com direcao a Nampula, onde chegaram j na parte da tarde.
 

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
02Maio2013
| Escrito por Assis

Igreja Catedral de Santo Antnio de Gur

No dia 1 de Maio de 1013, na Casa Diocesana, D. Francisco Lerma, Bispo de Gur, presidiu 2 reunio de 2013 do Colgio de Consultores. Participaram os Padres Francisco Cunlela, Renato Comastri, SCJ, Luciano Cominotti, Daniel Alexandre Ral, Janivaldo Alves dos Santos, CMF, e Jlio Pedro.

Convocado norma do Direito para assistir ao Bispo no governo da Diocese, o Colgio, sob proposta do prprio Bispo, tratou de alguns assuntos de especial urgncia para a vida da Diocese, nomeada mente a situao econmica da Diocese, a sustentabilidade do Clero Diocesano e do Seminrio Diocesano; e aarevitalizao da Pastoral Vocacional; a reorganizao e e convocatria do Secretariado Diocesano de Pastoral e dos Coordenadores dos Departamentos Pastorais; e mais outros assuntos de carcter reservado.

   

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
02Maio2013
| Escrito por Assis

Igreja Catedral de Santo Antnio de Gur

No dia 1 de Maio de 1013, na Casa Diocesana, D. Francisco Lerma, Bispo de Gur, presidiu 2 reunio de 2013 do Colgio de Consultores. Participaram os Padres Francisco Cunlela, Renato Comastri, SCJ, Luciano Cominotti, Daniel Alexandre Ral, Janivaldo Alves dos Santos, CMF, e Jlio Pedro.

Convocado norma do Direito para assistir ao Bispo no governo da Diocese, o Colgio, sob proposta do prprio Bispo, tratou de alguns assuntos de especial urgncia para a vida da Diocese, nomeada mente a situao econmica da Diocese, a sustentabilidade do Clero Diocesano e do Seminrio Diocesano; e aarevitalizao da Pastoral Vocacional; a reorganizao e e convocatria do Secretariado Diocesano de Pastoral e dos Coordenadores dos Departamentos Pastorais; e mais outros assuntos de carcter reservado.
 

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
30Abr2013
| Escrito por Assis

1 Semana Social de Moambique: A Lei da Terra, o Trfico de Seres Humanos e a Violncia contra a rapariga

Cristo, nossa Justia
I Semana Social, organizada pela CIRM-CONFEREMO, representando 38 Congregaes de Vida Consagrada, 2 Institutos Seculares e a Secretria Geral da Comisso Episcopal de Justia e Paz
Ns, os 53 participantes da I Semana Social, organizada pela CIRM-CONFEREMO, representando 38 Congregaes de Vida Consagrada, 2 Institutos Seculares e a Secretria Geral da Comisso Episcopal de Justia e Paz, em misso em todas as provncias do pas, acolhidos por S. Excia Rev.ma Dom Cludio Dalla Zuanna, Arcebispo da Beira e Presidente da Comisso Episcopal para a Vida Consagrada; reunidos de 22 a 26 de Abril de 2013, no Centro de Formao de Nazar, cidade da Beira, reflectimos sobre os seguintes temas: A Lei da Terra, o Trfico de Seres Humanos e a Violncia contra a rapariga. Contou-se com a presena de especialistas: Dr. Joo Mosca, economista e acadmico, Dr. Agostinho Serdio Rotuto, Procurador Provincial-Chefe de Manica, Sra. Margarida Pascoa Guitunga e Dr. Joseph Matongo, ambos da SANTAC. Fomos norteados pelas reflexes inspiradas na Exortao Apostlica Ps-Sinodal Africae Munus, no Capitulo II Campos de Apostolado (n 132 a 138), feitas pelo Pe. Paul Nadolny, Presidente da CIRM e Ir. Ester Lucas, Presidente da CONFEREMO.
Constatamos que no povo e nas nossas comunidades, h um grande desconhecimento e consequente fraca aplicao da Declarao Universal dos Direitos Humanos, da Lei da Terra, da Lei de Trfico de Seres humanos, como tambm de outros instrumentos legais afins, o que dificulta uma aco pastoral mais eficiente e efectiva em defesa da vida. Assim, com o profeta Oseias, afirmamos o meu povo est a morrer por falta de conhecimento (Os 4,6).
Chocados com a magnitude das injustias sociais na forma de violao dos Direitos Humanos,

DECLARAMOS

(1) Que repudiamos fortemente o Trfico de Seres Humanos, a Violncia contra a rapariga e o desarreigo da terra que acontece nas comunidades;
(2) Que condenamos todas as aces que levam a destruio da vida e da dignidade humana;
(3) Que denunciamos a impunidade, a indiferena e cumplicidade que favorece os autores materiais e morais que perpetuam tais crimes;
(4) Que assumimos o compromisso de desenvolver aces concretas para aumentar o conhecimento da Lei do Trafico de Seres Humanos e da Lei da Terra, e a capacidade de prevenir e responder aos crimes relacionados contra os Direitos Humanos, a partir das comunidades onde actuamos, unindo esforos para alcanar os valores do Reino de Deus; de paz, justia e reconciliao em Moambique, na regio e no mundo.
Beira, 25 de Abril de 2013

   

Mais artigos...

Pág. 180 de 204