NOVIDADES NA CAMINHADA

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
09Jun2013
| Escrito por Assis

Caminhos de Gur

Na caminhada diocesana deste 2 fim de semana de Junho do 2013, tivemos algumas novidades que queremos partilhar convosco. Com elas fumos fazendo caminho no nosso andar e construindo o Reino nas pequena coisas do dia a dia.

I.- Ritos de Iniciao: procurando uma resposta pastoral

Pe. Avelino Arlindo e Sr. Domingos Muanacaliwa, orientadores do Encontro

Trata-se, em primeiro lugar, no Encontro sobre um aspecto muito concreto da Inculturao: O acompanhamento dos rapazes e das meninas durante o perodo da Iniciao.

No Sbado 8 de Junho de 2013, na Casa Diocesana de Gur, coordenadores da pastoral familiar e juvenil das parquias da Diocese, reuniram com equipa da Arquidiocese de Nampula, formada pelo Pe. Avelino Arlindo, Reitor do Seminrio Mater Apostolorum, e pelo Sr. Domingos Muanacaliwa, para refletir sobre o acompanhamento dos jovens durante o perodo da iniciao.

Participantes no Encontro de reflexo

Partimos da princpio que a f deve deitar razes na nossa cultura. Tivemos em conta que a iniciao, fundamentalmente, tem como objectivo o crescimento do jovem e da jovem. Descobrimos, ao mesmo tempo, que necessrio formao tanto dos jovens iniciando como dos Mestres e das Mestras da Iniciao

para que haja um um bom acompanhamento desde o ponto d evista da f e da moral crist.

Querendo encontrar uma orientao comum para a Diocese chegamos s seguintes concluses:

1. Organizao da formao a nvel de toda a Diocese e ordem a encontramos linhas de orientao comum.

2. Neste sentido propomos a realizao de dois cursos: Primeiro Curso em Alto Molcue, de 14 1 18 de Outubro de 2013; Segundo Curso, em Invinha, de 18 a 22 de Outubro.

3. Participantes: dois Mestres e duas Mestras (4 pessoas) por cada Parquia e Capelania.

4. Orientadores: A Equipa de Nampula (Pe. Avelino e Sr. Domingos) com a colaborao da Comisso Diocesana de Cultura (responsvel: Pe. Carlos Nticua, SCJ).

II.- Nova Capelania de So Carlos Lwanga.

A Igreja da Capelania de So CarlosLwanga de Gur

Para uma melhor e eficiente assistncia pastoral foi criada a Capelania de So Carlos Lwanga, de Gur, que compreende a Zona Pastoral de Lussa (comunidades de Lussa, Namacucu, Namaria, Malamulo, Imphitxa, Namuka e Nanuacue); Zona Pastoral de Emucala (comunidades de Emukala I, Emukala II, Omuako, Nakhonnho, Ilele e Licungo), da Parquia de Invinha; e a Comunidade de So Carlos Lwanga com os seus 11 Ncleos de orao, da parquia da S Catedral. Esta Capelania provisoriamente fica sob os cuidados pastorais da Equipa missionria da Parquia da Catedral.

A Comunidade de S. Carlos Lwanga durante a celebrao

Representao teatral dos Mrtires de Uganda, no fim da celebrao

III. As obras da Casa Diocesana

Movimento de terras. No fundo a 2 Fase de construo dos 15 Quartos

As obras da Casa Diocesana (vulgarmente "Pao e Cria") encontram-se em estado avanado. J foram concludas as duas primeiras fases: salo polivalente (onde funciona o Secretariado, Sala de reunies e Capela), refeitrio e os primeiros 10 quartos.

A 1 Fase da Casa Diocesana: refeitrio e 10 Quartos j concluda

encontra-se muito avanada ( comeou a cobertura) a construo dos 15 quartos. A ltima fase, isto , os servios gerais diocesanos (escritrios da Cria e das Comisses) est a avanar, vendo-se surgir os muros. Brevemente teremos a colocao da viga de coroamento.

Casa Diocesana: ltima fase j iniciada: Servios gerais (Cria e escritrios).

 

EMIGRANTES, REFUGIADOS E TURISTAS

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
03Jun2013
| Escrito por Assis

Estrada Nacional N !, em Napevo, atravessa a Diocese de Gur

A Diocese de Gur, representada pelo Pe. Francisco Cunlela e pela Irm Regina Alfredo Benjamim, est a participar no Encontro da Comisso Episcopal para Emigrantes e Refugiados (CEMIRDE) que decorre no Centro de Formao de Nazar, na Beira, de 3 a 6 de Junho de 2013.

Eis o teor do Relatrio que a nossa Diocese preparou para o referido encontro nacional:

1. Emigrantes

A Diocese de Gur tem duas vias de entradas e sadas dos emigrantes. Pois ela, ao Norte, atravessada pela Estrada Nacional N 1, desde o rio Ligonha, no limite com a Provncia de Nampula, passando pelos Distritos de Alto Molcue e de ILe, at ao Distrito de Mucuba, j na Provncia e Diocese de Quelimane. Esta via potencialmente emigratria, considerada corredor para o transportes de seres humanos para os Pases limtrofes com Moambique.

Estrada Nacional N 1, atravessando o territrio da Diocese de Gur, usada como "Corredor de emigrantes".

Foi precisamente durante a Visita Pastoral de 2011, e tambm posteriormente, que tivemos conhecimento de episdios tristes e trgicos de pessoas de origem estrangeira encontradas nas matas no territrio acima referido. Algumas at chegaram a morrer nos contentores dos camies em que viajavam. Na altura estes acontecimentos at foram noticiados pelos meios de comunicao social.

Uma outra via de entrada de emigrantes na nossa Diocese a via de Milange a Molumbo. Trata-se de cidados Malawianos que entram e saem do Pas a procura de melhores condies de vida em Moambique.

Ainda no temos estudos plausveis sobre estes fenmenos e at data no foram quantificados, pois nunca lhe prestamos a devida ateno, por consider-los episdios espordicos. Porm, a partir de este Encontro esperamos organizar este sector da nossa pastoral, colhendo a experincia das outras Dioceses de tal maneira que nos possa orientar e iluminar a nossa situao e actuao nesta rea to importante para a defesa dos Direitos Humanos e da Vida.

2. Turismo

A Diocese de Gur potencialmente zona turstica, por diversas razes geogrficas, beleza natural e histria.

Ele banhada pelo Oceano ndico, nas belas praias de Naburi, Mualama e Pebane.

Confinando com esta rea, encontra-se a Reserva de Gil.

O palmar entrada da vila de Pebane

Outra realidade, nica em Moambique, so as vastas reas das plantaes de ch, que cobrem com um imenso tapete verde o territrio, plancies e montanhas volta da cidade do Gur. Nas montanhas que circundam a cidade encontram-se lugares extraordinrios pela sua beleza como so as inumerveis cascatas de gua, a gruta da "Santinha" e a famosa "Casa dos Noivos".

Cascatas das montanhas de Gur

Por falarmos das montanhas, no gostaramos de esquecer o Monte Namuli, mtico e histrico para os Povos da grande rea cultural Lmwe-Makwa. Uma zona bela coberta por vrias colinas e rios que do um lindo espectculo natural. Nestas montanhas nascem os rios Malema e Licungo. O Monte Namuli dista da cidade de Gur 45 Kms.

O mtico Monte Namuli

Apesar destas potencialidades tursticas -praias, reserva, montanhas e rios- ainda no h investimentos para a atraco turstica. Existe, sim, turistas espordicos que depois das suas visitas clamam: porque no se investe nestas zonas?

O verde tapete das plantaes de ch do Gur

Ns, como Diocese, gostaramos investir neste sector, especialmente na zona do Monte Namuli, onde criamos recentemente a Capelania de S. Kizito, com seis Zonas Pastorais e 30 comunidades crists. Poderamos acolher os turistas nacionais e estrangeiros que por aqui sempre aparecem sem nenhum apoio nem ponto de referimento. A nossa limitao sempre so a falta de um financiamento capaz de apoiar as iniciativas locais e enfrentarmos esta realidade humana e social

   

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
02Jun2013
| Escrito por Assis

A capela de Muagiua, sede da nova Capelania de S. Isidoro Bakanja

A procisso do ofertrio

A Comunidade de Maugiua, sede da nova Capelania do Betao Isidoro Bakanja, desmembrada da Parquia de Inivinha, foi escolhida pelo Sr. Bispo para celebrar este ano a Solenidade do Santssimo Corpo e Sangue de Cristo.

A procisso do Santssimo Sacramento em Muagiua

Depois da celebrao da Santa Missa, presidida por D. Francisco Lerma, Bispo da Diocese, e concelebrada pelo Pe. Rito Alberto, Reitor do Seminrio Diocesano e capelo da nova Capelania, realizou-se a procisso com o Santssimo Sacramento volta do terreno da capela.

O Bispo em adorao ao Santssimo Sacramento

Aps celebrao, o Sr. Bispo reuniu com os coordenadores e responsveis pelos vrios ministrios e com toda a comunidade local, para explicar o significado da criao da Capelania , dedicada proteo do Beato Isidoro Bakanja, mrtir africano.

A Diocese de Gur aderiu inicitiva da Adorao Eucaristia Universal programada pelo Papa para este Dia com motivo do Ano da F. Neste sentido, das 17.00H.s 18.00, na Igreja Catedral de Gur, D. Francisco Lerma, presidiu Adorao Eucarstica, com a participao de um grande grupo de fiis da sede. de salientar a presenas das crianas que, na parte da manh, receberam a sua Primeira Comunho.

Foi uma hora de orao cheia de comunho fraterna e de apoio a f de todos.

A sada da celebrao
Em comunho com o Papa Francisco, lembramos as intenes que ele desejou levar em considerao para esta celebrao: Pela Igreja espalhada pelo mundo e hoje, em sinal de unidade; pela obedincia na escuta da Palavra de Deus; e pelos que mais sofrem no mundo de hoje.
 

ENCERRAMENTO DO MES MARIANO NA "SANTINHA"

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
31Maio2013
| Escrito por Assis

Panormica geral no local da Peregrinao

Na tarde do dia 31 de Maio, vrias centenas de fiis da Parquia de Santo Antnio da Catedral de Gur peregrinaram, at gruta da "Santinha" nas montanhas de Gur, para o Encerramento solene do ms de Maio, ms tradicionalmente dedicado Nossa Senhora. Presidiu reza do Santo Rosrio D. Francisco Lerma, Bispo da Diocese, acompanhado pelo Vigrio Geral, o Pe. Francisco Cunlela e pelo Proco da Parquia da Catedral o Pe. Daniel Alexandre Raul.

A capelinha da "Santinha" nas montanhas de Gur

Desde as primeiras horas da tarde os peregrinos, com o Tero nas mos e o corao levantado ao Senhor, comearam a caminhar desde a cidade at s vizinhas montanhas, onde se encontra a gruta de Nossa Senhora de Ftima popularmente conhecida por "SANTINHA".

O nome "Santinha" gravado nas rochas da montanha

O numeroso grupo de Legionrias de Maria, com seus lenos e capulanas de aul, se encarregou de orientar a reza do Tero e de entoar cnticos apropriados para o evento que se estava a comemorar.

Ao comear o momento de orao o Sr. Bispo apresentou aos fiis presentes os motivos da peregrinao, especialmente enquadrada na programao diocesana do Ano da F, "Maria, mulher de f, ensina-nos a viver a nossa f".

As Legionrias de Maria orientaram a reza do Tero. No primeiro plano o Pe. Cunlela, Vigrio Geral.

Em cada um dos Mistrios, o Sr. Bispo indicou intenes particulares, nomeadamente: pelos irmos perseguidos por causa da sua f em muitos pases de mundo; pelas famlias divididas; pelas dificuldades econmicas, sociais e morais; pela cruz de cada um de ns e de todos; pela santificao dos sacerdotes e de todos os agentes da Pastoral e pelas intenes da Igreja universal e do Papa Francisco.

seguir s Ladainhas Marianas e como concluso da celebrao, renovou-se a Consagrao da Diocese de Gur Nossa Senhora com motivo do XX Aniversrio da sua fundao (1963 - 2013) que este ano comemoramos.

D. Francisco Lerma e o Pe. Daniel Raul dueante a orao mariana
   

Mais artigos...

Pág. 156 de 183