PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
30Jan2016
| Escrito por Assis

ABERTURA DO ANO LECTIVO NO SEMINRIO PROPEDUTICO S. JOS DE GUR


No passado Sbado, 30 de Janeiro co corrente ano, D. Francisco Lerma, acompanhado pelo Pe. Agostinho Vasconcelos, Moderador da Cria e Secretario Diocesano de Pastoral, inaugurou o Ano Lectivo de 2016, no Seminrio Diocesano Propedutico S. Jos.
O Bispo reuniu com a Equipa Formadora, com os alunos e Professores, presidiu Celebrao da Eucaristia, e participou no convvio festivo.
Os alunos so 12 no 1 Ano; 7 no 2 e 5 no 3.
A Equipa formadora est formada pelos Padres Janurio Antnio, Reitor; Artur Bernardo, Vice-Reitor e Ecnomo; Pe. Carlos Evaristo Jos, Prefeito de Estudos; e D. Manuel Chuanguira Machado, Bispo emrito, Director Epiritual. Participaram, alm dos alunos e dos Formadores um grupo de Irms Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceio, que colaboram na formao dos seminaristas, e representantes dos Professores.

Lista geral dos seminaristas - 2016
I ANO
01. Afonso Custdio Nhasa, Parquia S. Tiago Maior de Namarri.
02. Agostinho Enfermeiro Omeca, Parquia S. Jos de Lioma.
03. Ams Ernesto Aniva, Quase-Parquia B.Anaurite de Mugulama.
04. Cardoso Albino Naquita, Quase-Parquia B. Anaurite de Mugulama.
05. Condessa Jlio Condessa, Parquia N. S. de Lurdes de Mulevala.
06. Hermes Miguel Manuel, Parquia N. S. da Conceiode Invinha.
07. Lindo Fernando,Parquia N. S. de Lurdes de Mulevala.
08. Joel Armando Jamal, Parquia S. Paulo de Naburi.
09. Pedro Francisco Vicente,Parquia N. S. da Anunciao de Moneia.
10. Selemane Joo Manuel, Parquia S. Paulo de Naburi.
11. Tiago Beato Mucuvela, Parquia S. Teresa do Menino Jesus de Ile.
12. Viturio Arlindo Albino, Parquia S. Tiago Maior de Namarri.

II ANO
01. Adolfo Alberto Insasa, Parquia S. Jos de Lioma.
02. Delfino Baptista Alfredo, Parquia N. S. da Conceio de Invinha.
03. Josety Camilo Loureno, Parquia N. S. de Lurdes de Mulevala.
04. Onssimo Antnio Bicicleta, da Quase-Parquia de Mugulama.
05. Raimundo Franque, Parquia S. Jos de Lioma.
06. Raimundo Moniz, Parquia S. Antnio da Catedral. Gur.
07. Rondo Carvalho, Parquia N. S. da Anunciao de Moneia.

III ANO
01. Almeida Cornlio, Parquia N. S. de Lurdes de Mulevala.
02. Carlos Alberto Joelo, ParquiaBom Pastor dePebane.
03. Janurio Felizardo Mois, Parquia S. Carlos Lwanga. Gure.
04. Salomo E. Impamela, Parquia Bom Pastor. Pebane.
05. Simone Pedro Gabriel, Parquia N.S. de Ftima. A. Molocu.

 

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
23Jan2016
| Escrito por Assis

De 17 a 24 de Janeiro do ano corrente, na Parquia da S Catedral de Gur, em grupos e lugares separados, 16 meninas e 19 rapazes, acompanhados pelos respetivos Mestres e Padrinhos, receberam as instrues prprias e ensinamentos culturais do Povo Lmwe. Na manh do Sbado 23, o Bispo D. Francisco Lerma, teve um encontro muito significativo e emotivo com os recm iniciados. Depois de umas palavras de encorajamento e de alegria pelo importante acontecimentos para os jovens e para a prpria sociedade, o Bispoabenoou-os e os apresentou oficialmente comunidade.

   

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
28Dez2015
| Escrito por Assis


ORDENAO DIACONAL DE JOO ERNESTO TARUA

com renovada alegria que a Diocese celebrou no passado dia 27 de Dezembro 2915, a Ordenao Diaconal do jovem JOO ERNESTO TARUA, na Catedral de Gur. A celebrao foi presidida por D. Francisco Lerma Martnez, Bispo de Gur`

O novo Dicono Joo Ernesto Trua, filho de Ernesto Tarua e de Maria Machado, natural de Alto Molcu, nascido aos 25 de Abril de 1981, baptizado na Parquia do Sagrado Corao de Jesus de Nauela (Alto Molcu) e crismado na Parquia de N. S. do Livramento da Catedral de Quelimane.

Depois da formao nos Seminrios Propedutico S. Agostinho de Quelimane, Filosfico S. Agostinho da Matola, e Teolgico S. Pio X de Maputo, fez um perodo suficiente de experincia pastoral na Parquia de S. Paulo Apstolo de Naburi.

Na mesma celebrao, D. Francisco abriu a Porta Santa da Misericrdia, dando incio ao Jubileu Extraordinrio da Misericrdia.


conveniente que acompanhemos a ordenao do nosso jovem Joo Ernesto Trua, reflectindo sobre o significado do dicono na Igreja.

Desde os primeiros tempos da Igreja, j na poca dos Apstolos, o Dicono tem por misso ajudar o Bispo e os Sacerdotes no servio da Palavra e da Caridade, mostrando-se como servo de todos.

Com a ajuda de Deus deve em todo comportar-se de tal modo que sempre nele se reconhea um verdadeiro discpulo de Cristo, que no veio para ser servido mas para servir.

Carssimo Joo, v o exemplo que o Senhor te deixou, para que, como Ele procedeu, assim procedas tu tambm. Lembra o exemplo dos primeiros diconos e, sobretudo, do dicono Santo Estvo, cuja festa ontem celebrmos.

Adicionar legenda
Procura de todo o corao fazer com amor a vontade de Deus. Servindo ao Senhor, serve tambm aos homens, teus irmos, com alegria. E como ningum pode servir a dois senhores, considera toda a impureza e o apego ao dinheiro como servido e idolatria.

Deves ser homem que d, homem bom exemplo de bom testemunho e cheio de sabedoria e de Esprito Santo.

Exercers o ministrio constitudo em celibato: este ao mesmo tempo sinal e estmulo de amor pastoral e de bons frutos nas comunidades.

Unir-te-s mais facilmente ao Senhor de corao indiviso; entregar-te-s com maior generosidade e liberdade ao servio de Deus e dos teus irmos.

S firme na F; apresenta-te irrepreensvel e puro diante de Deus e dos homens, como convm a um ministro da Igreja.

Nunca te apartes do Evangelho; guarda o mistrio da F no teu corao; mostra nas tuas obras a Palavra de Deus que pregas com os lbios.

 

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
24Dez2015
| Escrito por Assis

NATAL DO SENHOR 2015. REFLEXO DE D. FRANCISCO


NATAL DO SENHOR 25.12.2015

1 Leit. Is 9,2-7. O povo que andava nas trevas viu uma grande luz. As armas da guerra sero lanadas ao fogo. Um Menino nos foi dado: Prncipe da Paz.

2 Leit. Tito 2,11-14. Manifestou-se a graa de Deus. Ele nos ensina a vivermos com justia, moderao, humildade e piedade.

Evg. Lc 2, 1-14. Nasceu hoje o Salvador.

QUAL O SENTIDO DO NATAL?

1.O nascimento de Cristo, Filho de Deus, entre os homens, fonte de ESPERANA, ALEGRIA E DE PAZ. Ele entra nos caminhos dos homens, partilhando a nossa vida (Em tudo igual a ns, excepto no pecado). deste modo que Deus nos quere salvar agora como no tempos antigos.

2. Na 1 Leitura, o profeta ISAIAS fala do povo que andava nas trevas e habitava nas sombras da morte. De facto, o profeta apresenta-nos uma situao dramtica pois o rudo das armas ressoa por toda a parte.

O Povo caminha na escurido e no sabe para onde ir. A este Povo sem esperana o Profeta anuncia: ver uma grande luz. Com o nascimento deste Menino h-de chegar o fim do medo, da escravido e de todo o domnio: Um Menino nos foi dado, Deus Forte, Prncipe da paz.

No trecho da Carta a Tito, o Apstolo Paulo explica s comunidades crists o sentido da vinda de Jesus com palavras cheias de esperana. Ele veio a ensinar-nos os caminhos do bem, da sobriedade, da justia e da piedade.

3.No Evangelho escutamos atentamente a narrao do Nascimento de Jesus: Nasceu hoje o Salvador. Glria a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados.

4.ACTUALIZEMOS a mensagem da Palavra de Deus nossa vida, ao nosso mundo de hoje.

Devemos pensar, reflectir sobre o significado desta Palavra do Senhor para ns. Devemo-nos interrogar sobre quais so as trevas que obscurecem a minha vida; quais so as sombras que obscurecem o relacionamento dentro das nossas famlias, nos nossos bairros, nos lugares de trabalho e na nossa sociedade em geral. Cada um procure a sua resposta.

A nvel da sociedade, todos estamos a viver momentos de muita apreenso e no s em Moambique. Estamos vivendo em Moambique e em muitssimos pases, em todo o mundo momentos muito difceis pela crise econmica e pelas situaes de conflitos e situaes de violncia armada. O Prprio Papa Francisco recentemente usou estas fortes palavras: que estamos a viver uma 3 Guerra Mundial a pedaos .

E nosso Pas a situao preocupa-nos a todos. Vos lembro apenas a recente Nota Pastoral dos Bispos e do Dia de Orao pela Paz que celebrmos h apenas um ms. Com o esforo, colaborao e o compromisso de todos poderemos afastar o fantasma da guerra e qualquer confrontao violenta entre irmos e filhos da mesma terra. Devemos restabelecer o respeito, a escuta, o dilogo e a reconciliao fraterna entre os membros da grande famlia que formamos todos ns.

Para conseguirmos este fim devemos percorrer os caminhos que nos mostra o Menino que nos foi dado:

- no devemos pr a nossa esperana no poder, na lei do mais forte. Este o primeiro ensinamento do Natal: os pobres, os pastores, Maria, Jos o compreenderam.

- no confiar prioritariamente no dinheiro. Vemos como frgil a fora dinheiro, a crise econmica mundial, da economia nacional, das famlias, das pessoas individuais.

- no confiar no prazer como fonte mais importante da felicidade: o prazer tambm muito frgil, efmero, passageiro, inseguro, insatisfao.

O CAMINHO que nos indica o NATAL DO SENHOR o caminho do MENINO que nos foi dado o caminho da humildade, dos valores fundamentais das pessoas, da verdade entre ns, do respeito e liberdade, da justia, do perdo, da misericrdia e da reconciliao.

Vosso Bispo

+ Francisco

   

Mais artigos...

Pág. 156 de 225