28º DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO B - 14 OUTUBRO 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
10Out2018
| Escrito por Assis

 

28º DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO B - 14 OUTUBRO 2018

A liturgia do 28º Domingo do Tempo Comum convida-nos a reflectir sobre as escolhas que fazemos; recorda-nos que nem sempre o que reluz é ouro e que é preciso, por vezes, renunciar a certos valores perecíveis, a fim de adquirir os valores da vida verdadeira e eterna.

Na primeira leitura -  Sab 7,7-11-  um “sábio” de Israel apresenta-nos um “hino à sabedoria”. Convida-nos a adquirir a verdadeira “sabedoria” (que é um dom de Deus) e a prescindir dos valores efémeros que não realizam o homem. O verdadeiro “sábio” é aquele que escolheu escutar as propostas de Deus, aceitar os seus desafios, seguir os caminhos que Ele indica.

A “sabedoria” é um dom de Deus que o homem deve acolher com humildade e disponibilidade. Ela não chega a quem se situa diante de Deus numa atitude de orgulho e de auto-suficiência; ela não atinge quem se fecha em si próprio e constrói uma vida à margem de Deus; ela não encontra lugar no coração e na vida de quem ignora Deus, os seus desafios, as suas propostas.

Talvez um dos grandes dramas do nosso tempo seja o prescindir de Deus e de passar com total indiferença ao lado das propostas de Deus. Dessa forma, construímos com frequência esquemas de egoísmo, de violência, de exploração, de ódio, que desfeiam o mundo e magoam aqueles que caminham ao nosso lado.

Há valores efémeros e passageiros (o dinheiro, o poder, o êxito, a moda, o reconhecimento social…) que não podem ser absolutizados. Eles não são maus, por si próprios; não podemos é deixar que eles tomem conta da nossa vida, condicionem todas as nossas opções, nos escravizem de tal modo que nos levem a esquecer outros valores mais importantes e mais duradouros.
Não se trata de nos fecharmos ao mundo, de renunciarmos definitivamente às coisas belas que o mundo nos pode oferecer e que nos dão segurança e estabilidade; trata-se de darmos prioridade àquilo que é realmente importante e que nos assegura, não momentos efémeros, mas momentos eternos de felicidade e de vida plena.

A segunda leitura  -   Heb 4,12-13  -  convida-nos a escutar e a acolher a Palavra de Deus proposta por Jesus. Ela é viva, eficaz, actuante. Uma vez acolhida no coração do homem, transforma-o, renova-o, ajuda-o a discernir o bem e o mal e a fazer as opções correctas, indica-lhe o caminho certo para chegar à vida plena e definitiva.

Essa Palavra é salvadora e libertadora; só ela indica ao homem o caminho certo para chegar à vida plena e definitiva. Qual o lugar e o papel que a Palavra de Deus assume na minha vida? Sou capaz de encontrar tempo para escutar a Palavra de Deus, disponibilidade para a discutir e partilhar, vontade de confrontar a minha vida com as suas exigências?
 O que acontece é que escutamos, acolhemos e apreendemos outras “palavras” e passamos com indiferença ao lado da Palavra de Deus. É preciso voltarmos a “escutar” a Palavra de Deus – isto é, a ouvi-la com os nossos ouvidos, a acolhê-la no nosso coração, a deixarmos que ela nos transforme e se expresse em gestos concretos de vida nova. Sem o nosso “sim”, a Palavra de Deus não encontra lugar no nosso coração e na nossa vida.
Para que esta Palavra seja eficaz é preciso que, com humildade e simplicidade, aceitemos questionar-nos, transformarmo-nos, convertermo-nos.

O Evangelho  - Mc 10,17-30 - apresenta-nos um homem que quer conhecer o caminho para alcançar a vida eterna. Jesus convida-o renunciar às suas riquezas e a escolher “caminho do Reino” – caminho de partilha, de solidariedade, de doação, de amor. É nesse caminho – garante Jesus aos seus discípulos – que o homem se realiza plenamente e que encontra a vida eterna.
 O “caminho do Reino” é um caminho de despojamento de si próprio, que tem de ser percorrido no dom da vida, na partilha com os irmãos, na entrega por amor.  O discípulo que quer integrar a comunidade do Reino deve estar sempre numa atitude radical de partilha, de solidariedade, de doação.

 A vida eterna passa pela adesão a esse Reino que Ele veio anunciar. Jesus, com a sua vida, com as suas propostas, com os seus valores, veio propor aos homens o caminho da vida eterna. Quem quiser “alcançar a vida eterna” tem de olhar para Jesus, aprender com Ele, segui-l’O, fazer da própria vida – como Jesus fez da sua vida – uma escuta atenta das propostas de Deus e um dom de amor aos irmãos.

Muitas vezes, a lógica do mundo sugere que a vida eterna está na acumulação de dinheiro, na concretização dos nossos sonhos de “ter” mais coisas, na conquista de poder, no reconhecimento social, nos privilégios que conquistamos.
A história do homem rico, que buscava a vida eterna mas não estava disposto a prescindir da sua riqueza, alerta-nos para a impossibilidade de conjugar a vida eterna com o amor aos bens deste mundo.

A riqueza escraviza o coração do homem, absorve todas as suas energias, desenvolve o egoísmo e a cobiça, leva o homem à injustiça, à exploração, à desonestidade, ao abuso dos irmãos…

Jesus garante que não se trata de um caminho de fracasso e de perda, mas de um caminho que realiza plenamente os sonhos e as necessidades dos homens que O escolheram. Seguir o “caminho do Reino” não é, portanto, aceitar viver infeliz e sacrificado nesta terra, com a esperança de uma recompensa no mundo que há-de vir; mas é, livre e conscientemente, escolher um caminho de vida plena, de realização, de alegria, de felicidade. O cristão não é um pobre coitado condenado a passar ao lado da vida e da felicidade; mas é uma pessoa que renunciou a certas propostas falíveis e parciais de felicidade, pois sabe que a vida plena está em viver de acordo com os valores eternos propostos por Jesus.

Fonte: um texto de “dehonianos.org/portal/liturgia!”

 

SÁBADO – XXVII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 13 OUTUBRO 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
09Out2018
| Escrito por Assis

 

SÁBADO – XXVII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 13 OUTUBRO 2018

Primeira leitura: Gálatas 3, 21-29

Paulo ao argumentar sobre a economia do amor gratuito de Deus, a que se acede pela fé, não deixa de esclarecer também a função da Lei. No plano de Deus, a Lei serve para levar o homem a compreender que, por si só, não pode cumpri-la e que, portanto, o pecado é inevitável (v. 23; cf. Rm 7, 7-25). A Lei teve o papel de «pedagogo» (vv. 24ss.).

Na cultura greco-romana, o pedagogo custodiava as crianças, usando a vara e as repreensões, e não o amor. Com esta imagem, Paulo quer levar-nos a compreender a força libertadora da fé: «Uma vez, porém, chegado o tempo da fé, já não estamos sob o domínio do pedagogo. É que todos vós sois filhos de Deus mediante a fé em Cristo Jesus» (vv. 25.26). A beleza deste novo tempo é expressa com dois conceitos.

O primeiro refere-se ao salto qualitativo do nosso “ser”, no momento do baptismo e que consiste no facto de podermos participar na vida de Cristo: «todos os que fostes baptizados em Cristo, revestistes-vos de Cristo», (v. 27) é a metáfora usada por Paulo. Não se trata de um revestimento exterior, mas de união profunda a Cristo (cf. Rm 6, 5).

O segundo conceito refere-se à absoluta novidade do ser em Cristo, que destrói toda a discriminação de tipo racial, social, sexual. Ser «um só em Cristo Jesus» (v. 28) significa, não só que os crentes formam uma só pessoa em Cristo (é o conceito da Igreja como Corpo Místico), mas que, formando um todo com Cristo, a unidade não se realiza na exterioridade da Lei, em no próprio Cristo, na fé n´Ele que, se for autêntica, muda a vida, informando-a de sentimentos de misericórdia, bondade, humildade, etc. (cf. Gl 3, 12).

Evangelho: Lucas 11, 27-28

Depois do discurso sobre o Demónio, Lucas insere a “bem-aventurança” pronunciada por uma ouvinte desconhecida e que se podia resumir assim: «Bem-aventurada a mãe que tem um filho como Jesus». A ouvinte pensaria certamente na força da sua palavra que introduzia no mistério das realidades espirituais. Mas, para Jesus, “bem-aventurado” é aquele que escuta a palavra de Deus e a põe em prática. O “antes” parece contradizer as palavras da mulher, e relegar Maria para a sombra.

Mas, se aprofundarmos esta perícopa, lendo-a à luz de outras, damo-nos conta de que é exactamente o contrário. De facto, a Mãe de Jesus, em Lc 1, 42-45, é proclamada “feliz” porque acreditou e obedeceu à Palavra (cf. 1, 38). No Magnificat, a própria Virgem profetiza que todas as gerações a proclamarão “bem-aventurada” por se ter rendido totalmente à Palavra que compromete a sua fé e a sua vida.

Por outro lado, já noutra ocasião, Jesus aproveitara o facto de sua mãe e os seus parentes terem ido à procura d´Ele para proclamar que sua mãe e seus irmãos são aqueles «que escutam a palavra de Deus e a vivem» (cf. Lc 8, 19-21). Esta é, portanto, a identidade profunda de Maria que também a nós é proposta. Escutar a palavra de Jesus, que é o Verbo, a substancial palavra do Deus vivo, é o segredo para ser bem-aventurado.
Ser “bem-aventurados”, ser “felizes”, alcançar a pacificação e a alegria de coração, é possível. Dizem-no os textos que lemos. Mas a “bem-aventurança”, ou a “felicidade”, não se alcançam pelo papel que desempenhamos ou pelas coisas que pensamos fazer para
cumprir deveres ou alcançar determinadas situações de primazia.

Ser “feliz” é deixar que os nossos dias, ainda que preenchidos no cumprimento de diversos compromissos e na realização de várias actividades, sejam unificados pelo primado da escuta da palavra de Deus. Mas, esta escuta, deve tender a tornar-se vida, evangelho vivido. Lucas recorda-nos que só a escuta, transformada em vida segundo Cristo, nos dá solidez semelhante à da casa construída sobre a rocha. Pelo contrário, ouvir e não pôr em prática é construir sobre a areia. Quem assim faz, logo que soprarem os ventos da dificuldade, ou irrompa a tempestade das tentações, soçobra (cf. Lc 6, 46-48).

Conforta-nos ser baptizados. O baptismo é uma realidade activa na nossa existência, uma vida nova, a própria vida de Cristo que, pouco a pouco, penetra em nós e nos reveste interiormente, permitindo-nos “mudar de veste” interiormente.

A prioridade da escuta leva-nos a isto. A veste do homem velho que somos leva-nos ao egocentrismo, a preocupar-nos mais com aparecer do que ser, mais com o que pensam os outros do que com atitudes de benevolência, de compreensão, de paciência, de humilde gratuidade em que se manifesta o nosso ser, e ser-amor e dom para os outros. A verdade de um mundo cristão passa pela aceitação do primado de uma escuta que de nós pessoas fortalecidas no homem interior, porque “revestidas de Cristo”, da sua mentalidade, do seu estilo de amor (cf. Gl 3, 25).

Sublinhamos a expressão “com frequência”. Não se trata só da escuta da palavra de Deus na Missa ou em eventuais paraliturgias; trata-se de acolher, na nossa vida, a Palavra, o Verbo eterno de Deus feito carne, conforme a exortação do Pai na Transfiguração: «Este é o Meu Filho muito amado, em Quem pus as minhas complacências: Escutai-O» (Mt 17, 5).

Este convite à “escuta” já estava expresso na famosa “shemá” (“escuta…”), com qu
e o piedoso israelita manifestava a Deus a sua fé, a adesão da sua vontade e a oblação da sua própria vida, cumprindo a Palavra de Deus: «Escuta, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda as tuas forças. Estes mandamentos que hoje te imponho, serão gravados no teu coração. Ensiná-los-ás aos teus filhos…» (Dt 6, 4-7).

Assim Deus Se revelava na vida do piedoso israelita como Jahvé: «Eu sou aquele que sou» (Ex 3, 14). A presença da Palavra era a presença da Pessoa. Com maior razão tudo isto se realiza em Jesus, que é a Palavra, o Verbo de Deus feito carne: «Quem ouve as minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha…» (Mt 7, 24). “Rocha”, “Rochedo” são as imagens típicas de Deus que exprimem solidez, segurança e, portanto, fé, adesão completa: «Deus é a rocha da minha defesa…» (Sl 62(61), 3): «Vós sois, meu Deus, a rocha da minha salvação…» (Sl 89(88), 27).

Jesus afirma: «A minha mãe e os meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática» (Lc 8, 21); «Quem escuta a minha palavra e acredita n´Aquele que Me enviou, tem a vida eterna…» (Jo 5, 24); «Quem é da verdade, escuta a minha palavra» (Jo 18, 35). Segundo S. João, Jesus é a Palavra ou «Verbo (logos) feito carne» (Jo 1, 14) e o autor da Carta aos Hebreus, depois de ter recordado as palavras dos profetas, afirma: «Deus… nestes últimos tempos, falou-nos, por meio do Filho”…, que é “resplendor da… glória (do Pai)… imagem da sua substância e sustendo todas as coisas pela Sua Palavra poderosa…» (1, 1-3).

Portanto, nas palavras (remata) dos profetas e de Jesus escutamos a Palavra (Logos) de
Maria é o modelo de como se escuta e acolhe na vida a Palavra e: «Feliz d´Aquele que acreditou no cumprimento das palavras do Senhor…» (Lc 1, 45

“Escutar”, em sentido bíblico, é “compreender”, “acolher” na vida, “ir a Jesus”; é “acreditar”, “guardar no coração”; é “obedecer” e “fazer”. A verdadeira «escuta da Palavra» realiza-se quando se ama, não por palavras, mas “com obras e em verdade” (1 Jo 3, 18).

O «Ecce venio» de Jesus, «para fazer a Tua vontade» (Heb 10, 7) pertence a este tipo de escuta. Esta escuta do Pai é, para Jesus, o “lugar” da Sua união de amor com o Pai: «Guardei os mandamentos de Meu Pai e permaneço no Seu amor» (Jo 15, 10). O mesmo devemos dizer do «Ecce ancilla» de Maria.

Fonte: resumo/adaptação de um texto de F. Fonseca em “dehonianos.org/portal/liturgia”

   

SEXTA-FEIRA – XXVII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 12 OUTUBRO 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
08Out2018
Actualizado em 08 Outubro 2018 | Escrito por Assis

 

SEXTA-FEIRA – XXVII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 12 OUTUBRO 2018

Primeira leitura: Gálatas 3, 7-14

Paulo recorda aos Gálatas Abraão, pai e modelo da fé: acreditou e isso «foi-lhe atribuído como justiça» (Gl 3, 16). Abraão é pai na fé porque aceitou peregrinar confiando apenas na palavra de Deus. Assim se tornou instrumento de bênção para os hebreus e para todos os povos (v. 8). Também os Gálatas, que se dizem «filhos de Abraão», deveriam fundamentar a sua fé em Deus unicamente na palavra escutada e vivida. Quem pretender salvar-se cumprindo de modo voluntarista a Lei, acabará por se condenar. O mal não está em querer cumprir, mas em querer fazê-lo de modo autónomo, como se Deus estivesse à margem da nossa existência, como frio espectador e juiz remunerador.

Em Rm 7, 7ss., Paulo já mostrou que somos incapazes de cumprir a Lei, só com as nossas forças, porque estamos profundamente divididos. Aspiramos pelo bem, mas não conseguimos fazê-lo, e até fazemos o mal que não queremos. O homem justo viverá em virtude da fé, viverá santamente os seus dias, por causa da sua confiança absoluta em Deus que é «autor e consumador da fé» (Heb 12, 2).
Cristo libertou-nos da maldição que é o clima opressivo de pretender viver apenas sob a Lei, tomando sobre si, na cruz, a maldição do pecado. Cristo fez-se pecado por nós (cf. 2 Cor 5, 21). Amou-nos a ponto de abrir a todos as portas da antiga bênção de Abraão e à promessa do Espírito.

Evangelho: Lucas 11, 15-26

Neste texto, Lucas faz-nos entrar no mistério do encarniçamento da luta contra Jesus, não só por parte dos seus inimigos, mas também por parte de Satanás, o Adversário por excelência, aqui chamado Belzebu, termo de origem sírio-fenícia (de Beelzebul: “senhor do monte”, ou de Beelzebub: “rei das moscas”). Jesus expulsou um demónio. Os inimigos insinuam que o prodígio foi operado pelo poder do próprio chefe dos demónios. Alguém até exige um milagre como «sinal do Céu» (v. 16) para confirmar o seu ser de Deus. É a habitual prova-tentação em que os inimigos de Jesus queriam também envolvê-l´O, mas que é contrária a um verdadeiro caminho fé.

Mas Jesus, «que conhecia os seus pensamentos» (v. 17), desarma-os com uma lógica inequívoca: como pode Satanás dar-lhe poder de combater os seus subalternos? Seria como se quisesse o desmoronamento do seu reino. Mais ainda: se a acusação contra Jesus fosse verdadeira, também poria em causa os exorcistas hebreus, – ironiza Jesus. Mas o centro da questão é colocado por Jesus a outro nível: se Ele expulsa demónios com o poder de Deus (“mão” indica poder: cf. Sl 8, 13) quer dizer que a sua presença equivale à presença do Reino no meio deles (cf. 11, 17-26).

Segue a parábola do homem forte e do «mais forte» que evidencia a vitória de Cristo sobre Satanás. Em relação a Jesus, não há espaço para neutralidade. Ou se está com Ele e se recolhe para a vida que dura, ou se está contra Ele e se perde todo o verdadeiro bem. Note-se também o apelo à vigilância. Satanás não descansa, nem se dá por vencido. Onde vê a casa «varrida e arrumada» (v. 24), isto é, a pessoa decidida a seguir a Cristo, lança um ataque totalitário (expresso pelo número 7: v. 26) porque, por inveja (cf. Sab 2, 24), anseia pela ruína do homem.

Hoje, o evangelho fala-nos da luta entre Jesus e o demónio, uma luta que se trava no mais íntimo do homem. Nós sabemos que fomos libertados do pecado e do demónio pela graça de Deus e pelo Baptismo e, no decurso da vida, pelo sacramento da Reconciliação. Mas assiste-se, nos nossos dias, tantas vezes fortemente críticos e até agressivos a tudo o que tenha a ver com o sobrenatural, a um renascer de crenças no mundo dos demónios. Vão até surgindo, por aqui e por ali, grupos que se dedicam a práticas satânicas. Há quem cultive inúteis medos e quem, pura e simplesmente, ironize sobre o tema. Mas temos a certeza de que «pela mão de Deus» (Lc 11, 20), isto é, pelo poder do Altíssimo, Jesus, vivo na Palavra e nas realidades sacramentais da Igreja, continua a alcançar vitória sobre o Maligno. Quem estiver da parte de Cristo, e viver unido a Ele, nada tem a temer. Satanás está «bem armado», mas Deus é bem «mais forte» (Lc 11, 23). O Demónio pode ser «como um leão que ruge, procurando a quem devorar» (1 Pe 5, 8), mas é sempre uma criatura que a «mão de Deus» verga e parte como uma palhinha. Belzebu é o desesperado por excelência, que «anda por lugares áridos» e não encontra paz (Lc 11, 24); assim, a sua estratégia de «macaco de Deus» – como lhe chamam os antigos Padres – é tornarmos semelhante a ele.

Mas Deus torna o homem semelhante ao seu ser amor e alegria; Satanás, se não consegue tornar-nos desesperados como ele, faz o possível para nos fazer desanimar. Pela morte e pela ressurreição de Jesus, perdeu a guerra, mas ainda pode vencer essa batalha. Estejamos, então, atentos à casa do nosso coração! Ainda que «varrida e arrumada», não deixa de ser atacada por Satanás e seus sequazes. Só pela fé e pela oração, expressão da nossa fé, podemos resistir-lhe.
Acreditar que Jesus aceitou tornar-se «maldição suspensa no madeiro da cruz» (cf. Gl 3, 13), e pedir a graça de ser por Ele fortificados e salvos, é a nossa garantia. «Agora é que o dominador deste mundo vai ser lançado fora», disse Jesus. «Quando for levantado da terra, atrairei todos a mim» (Jo 12, 31-32). É, pois, fixando o olhar em Cristo, crucificado e ressuscitado, que veremos abrirem-se para nós horizontes de paz. Pelo contrário, todas as nossas obras, que não sejam vivificadas e fortalecidas pelo Espírito, por meio da fé, tornam-se terreno propício para as artes do Maligno.

Insistimos sobretudo na convicção de que “está presente”. Por isso, confiantes, apesar das insídias de Satanás, “corremos com perseverança a carreira que nos é proposta, com os olhos fixos em Jesus, autor e consumador da fé” (Heb 12, 1-2), que deu a Sua vida por nós e, agora, glorioso, intercede por nós junto do Pai (cf. Heb 7, 25).

Fonte: Resumo/adaptação local de um texto de F. Fonseca em “dehonianos.org/portal/liturgia

 

QUINTA-FEIRA – XXVII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 11 OUTUBRO 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
08Out2018
| Escrito por Assis

 

QUINTA-FEIRA – XXVII SEMANA –TEMPO COMUM – ANOS PARES - 11 OUTUBRO 2018


Primeira leitura: Gálatas 3, 1-5

Paulo dirige aos Gálatas palavras duras. Para compreendê-las, devemos recordar que o Apóstolo, seu pai e mestre na fé, vive para comunicar a sua convicção fundamental: «o homem não é justificado (salvo) pelas obras da Lei, mas unicamente pela fé em Jesus Cristo porque pelas obras da Lei nenhuma criatura será justificada» (Gl 2, 16).

Paulo mostra aos Gálatas a sua insensatez, por voltarem a considerar-se devedores da Lei, como se não tivessem conhecido o Evangelho, como se aos seus olhos não tivesse sido exposto «Jesus Cristo crucificado» (Gl 3, 1), única fonte de salvação. Pode-se viver plenamente incarnados neste mundo, mas vivendo simultaneamente «na fé do Filho de Deus que me amou e a si mesmo se entregou por mim» (Gl 2, 20). Nessa perspectiva, o horizonte muda radicalmente, como o daquele que antes vivia dependente de uma máquina de oxigénio e agora pode respirar a plenos pulmões. É para isso que Deus lhes concede o Espírito Santo, que opera maravilhas. Dotados pelo Espírito, os Gálatas podem tornar-se verdadeiros crentes e actuar na caridade. O crente, de facto, não é chamado a um esforço voluntarista para cumprir as obras da Lei, mas a ser dócil ao Espírito, que os torna crentes de cumprirem os mandamentos, crucificando o próprio egoísmo, a ponto de poderem dizer: «Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim» (2, 20). Por Ele e com Ele, não só deixaremos de fazer o mal, mas procuraremos, com a força do Espírito, fazer todo o bem possível.

Evangelho: Lucas 11, 5-13

Depois de nos transmitir o «Pai nosso», a oração de Jesus, Lucas dá-nos alguns ensinamentos sobre a atitude interior com que havemos de dirigir-nos a Deus, que é Pai e amigo do homem. Fá-lo com duas parábolas: a primeira é a do amigo importuno que, no meio da noite, vai pedir pão a outro amigo. A nota principal é a insistência de quem sabe bater ao coração (mais do que à porta) de um amigo, e a confiança em obter o que pede.

A segunda parábola usa coloridas imagens (peixe/serpente, ovo/escorpião) para aprofundar o conceito de «pai». O peixe, tal como o pão, é símbolo de Cristo; a serpente evoca o inimigo por excelência do homem (cf. Gn 3). O ovo é símbolo da vida, enquanto o escorpião, que tem veneno na cauda, simboliza a morte.

Os verbos fortemente correlativos entre eles (pedir/obter, procurar/achar, bater/abrir) ensinam-nos que a oração nunca é perda de tempo, ou desafio a um deus longínquo e surdo. A oração tem sempre resposta positiva. Mas precisa de ser perseverante (cf. Lc 18, 1).
A interrogação de Jesus, depois da segunda parábola, interpela fortemente a nossa sensibilidade. Sabemos que, por natureza, não somos bons. Mas o instinto paterno é tão forte que leva a corresponder positivamente aos pedidos dos filhos, dando-lhes o que é bom. O Espírito Santo é o Dom por excelência, que jamais será negado a quem O pedir.

Rezar é estar em diálogo de amor perene com Deus, Pai amoroso em Quem podemos confiar, e com os irmãos; rezar é fazer do amor oblativo a nossa vida. Devemos, todavia, beber esse amor oblativo na sua fonte, que é Deus. Daí a necessidade da oração de intimidade pessoal, da oração trinitária. Podemos servir-nos das formas simples e profundas que aprendemos nos joelhos da nossa mãe: «Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo», entendendo o «em nome»Â  no sentido de posse: «Sou Teu, ó Pai; sou Teu, ó Filho; sou Teu, ó Espírito Santo» – «Amem»: Sim, com todo o meu coração, com toda a minha vida, no tempo e na eternidade.  

Fonre: Resumo adaptação de um texto de F. Fonseca em “dehonianos.org/portal/liturgia/”

   

Pág. 2 de 211