Segunda-feira - III Semana –– Tempo Comum – Anos Pares. 22 Janeiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
19Jan2018
Actualizado em 19 Janeiro 2018 | Escrito por Assis

Segunda-feira - III Semana –– Tempo Comum – Anos Pares. 22 Janeiro 2018.

Primeira leitura: 2 Samuel 5, 1-7.10

A unção de David por Samuel espelha o sentido profundamente religioso e carismático que sempre teve a autoridade em Israel. Mas essa unção não parece ter sido obra de Samuel, mas dos homens de Judá, primeiro (2 Sam 2, 4) e, depois, dos anciãos de Israel (5, 3).

David entrou no exército de Saul como chefe de mercenários (1 Sam 18, 5); depois passou ao serviço dos filisteus, que o fizeram príncipe de Ciclag (1 Sam 27, 6); finalmente fui ungido rei pelas tribos do sul em Hebron, onde reinou sete anos e meio (2 Sam 5, 5).

Num segundo momento foi reconhecido como rei das tribos do norte e, uma vez conquistada Jerusalém, estabeleceu nela a capital. A conquista de Jerusalém impunha-se por razões políticas: situada entre os territórios de Israel e de Judá, não pertencia a nenhum deles, mas aos Jebuseus e, por isso, podia ser aceite por ambas as partes do novo reino. A cidade foi tomada pela milícia pessoal de David, sublinhando que não ficava integrada nem em Israel nem em Judá, mas permanecia como cidade neutral, centro autónomo do poder do rei.

O v. 10 repete o refrão teológico, e poderia representar a conclusão original da história de David, do seu sinuoso caminho desde as pastagens de Belém até ao domínio de Sião. Com a conquista de Jerusalém, as tribos unificadas sentem-se seguras e podem dedicar-se a outras actividades, inclusivamente culturais.

David fez tudo pela unidade de Israel. Foi generoso e leal com Saul, que o perseguia, vestiu-se de luto quando soube da sua morte e matou os assassinos dos parentes do rei. Estas atitudes levaram as tribos de Israel a reconhecê-lo como rei. Se assim não fosse, David não seria mais do que senhor de Judá. Agindo como agiu, assumiu o poder sobre as tribos do Norte e do Sul e, ao conquistar Jerusalém, ergueu o reino de Israel, que havia de governar durante 40 anos, e que é figura do reino messiânico.

Evangelho: Mc 3, 22-30

O «tribunal» vindo de Jerusalém, não podendo negar a evidência prodígios que Jesus operava, insinua que é por Belzebu que expulsa os demónios. Jesus enfrenta decidida e corajosamente os seus caluniadores, ainda que «em parábolas», para os refutar. Evidencia as suas contradições: se fosse Satanás a expulsar Satanás, não era preciso estar preocupados com ele, porque o seu poder tinha chegado ao fim.

As palavras de Jesus, cheias da ironia que Marcos várias vezes anota, são uma profecia: efectivamente o reino de Satanás estava prestes a findar, porque se aproximava o reino dos céus, ou melhor, já estava presente. Libertar os pecadores do poder de Satanás e da escravidão do pecado era um sinal claro de que Jesus actuava em nome de Deus. Dizer que actuava pelo poder do «espírito maligno» era blasfemar contra o Espírito Santo.

Jesus fala do reino dividido de Satanás para mostrar o poder do Espírito. A figura do reino dividido e rebelde, do homem forte amarrado e espoliado, contrasta com o Reino eterno do perdão, contra o qual ninguém consegue opor-se com êxito, e onde todos serão acolhidos e salvos. Só o mau uso da nossa liberdade poderá excluir-nos do Reino, se nos levar a blasfemar contra o Espírito Santo, confundindo o Filho do Homem com Satanás.

Meditando nos esforços de David para realizar a unidade do reino de Israel, e no Espírito Santo como força de união, rezemos pela unidade da Igreja. Apesar da vontade de Jesus, e da sua oração para «que todos sejam um» (Jo 17, 21), a Igreja continua dividida, dificultando que «o mundo creia» (Jo 17, 23) A união e a caridade entre os cristãos podem ser vividas a vários níveis. O mais perfeito é expresso por Jesus em forma de oração, quando pede que os seus discípulos se amem uns aos outros como as Três Pessoas da Santíssima Trindade se amam: “Não rogo só por estes, mas também por aqueles que, graças à sua palavra, hão-de acreditar em Mim, para que todos sejam um. Como Tu, ó Pai, estás em Mim e Eu em Ti, sejam também eles uma só coisa, para que o mundo creia que Tu Me enviaste” (Jo 17, 20-21).

Senhor Jesus, Tu disseste: «Todo o reino, dividido contra si mesmo, fica devastado; e toda a cidade ou casa, dividida contra si mesma, não poderá subsistir» (Mt 12, 25). Hoje quero pedir-te pela unidade da tua Igreja. Que sejamos todos «um só», como Tu e o Pai são «um só», «para que o mundo creia». Que a unidade da Igreja esteja sempre, pelo menos, nos nossos desejos, para que não comprometamos a união e a comunhão entre nós, os que acreditamos em Ti.

Fonte: adaptação local de um texto de “dehonianos.org/portal/liturgia

 

03º Domingo do Tempo Comum – Ano B

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
19Jan2018
Actualizado em 19 Janeiro 2018 | Escrito por Assis

03º Domingo do Tempo Comum – Ano B

A liturgia do 3º Domingo do Tempo Comum propõe-nos a continuação da reflexão iniciada no passado domingo. Recorda, uma vez mais, que Deus ama cada homem e cada mulher e chama-o à vida plena e verdadeira. A resposta do homem ao chamamento de Deus passa por um caminho de conversão pessoal e de identificação com Jesus.

A primeira leitura ( Jonas 3,1-5.10), diz-nos – através da história do envio do profeta Jonas a pregar a conversão aos habitantes de Nínive – que Deus ama todos os homens e a todos chama à salvação.

A disponibilidade dos ninivitas em escutar os apelos de Deus e em percorrer um caminho imediato de conversão constitui um modelo de resposta adequada ao chamamento de Deus.

A catequese apresentada pelo “Livro de Jonas” convida-nos, antes de mais, a apreciar a profundidade da misericórdia e da bondade de Deus: Deus não quer a morte de nenhum dos seus filhos; o que quer é que eles se convertam e percorram, com Ele, o caminho que conduz à vida plena, à felicidade sem fim.

No entanto todos nós temos, por vezes, alguma dificuldade em aceitar esta lógica de Deus. A Palavra de Deus apresenta-nos um Deus de bondade e de misericórdia, que nos convida a amar todos os irmãos, mesmo os maus.

A disponibilidade dos ninivitas para escutar o chamamento de Deus e para percorrer o caminho da conversão constitui um modelo de resposta adequada ao Deus que chama. É essa mesma prontidão de resposta que Deus pede a cada homem ou a cada mulher.

A segunda leitura (1 Coríntios 7, 29-31), convida o cristão a ter consciência de que “o tempo é breve” – isto é, que as realidades e valores deste mundo são passageiros e não devem ser absolutizados. Deus convida cada cristão, em marcha pela história, a viver de olhos postos no mundo futuro – quer dizer, a dar prioridade aos valores eternos, a converter-se aos valores do “Reino”.

A todo o instante somos colocados diante de realidades diversas e contrastantes e temos de fazer as nossas escolhas. A mentalidade dominante, a moda, o politicamente correcto, os nossos preconceitos e interesses egoístas interferem frequentemente com as nossas opções e impõem-nos valores que nem sempre são geradores de liberdade, de paz, de vida verdadeira.

Muitas vezes, endeusamos determinados valores efémeros e passageiros, que nos fazem perder de vista os valores autênticos, verdadeiros, definitivos. Os valores deste mundo, por mais importantes e interessantes que sejam, não devem ser absolutizados. Não se trata de desprezar as coisas boas que o mundo coloca à nossa disposição; mas trata-se de não colocar nelas, de forma incondicional, a nossa esperança, a nossa segurança, o objectivo da nossa vida.

No Evangelho (Mc 1,14-20), aparece o convite que Jesus faz a todos os homens para se tornarem seus discípulos e para integrarem a sua comunidade. Marcos avisa, contudo, que a entrada para a comunidade do Reino pressupõe um caminho de “conversão” e de adesão a Jesus e ao Evangelho.

Jesus chamava o “Reino de Deus”. É esse projecto que Jesus nos apresenta e ao qual nos convida a aderir. Somos chamados a construir, com Jesus, um mundo onde Deus esteja presente e que se edifique de acordo com os projectos e os critérios de Deus. Estamos disponíveis para entrar nessa aventura?

Temos de modificar a nossa mentalidade, os nossos valores, as nossas atitudes, a nossa forma de encarar Deus, o mundo e os outros para que se torne possível o nascimento de uma realidade diferente. Temos de alterar as nossas atitudes de egoísmo, de orgulho, de auto-suficiência, de comodismo e de voltar a escutar Deus e as suas propostas, para que aconteça, na nossa vida e à nossa volta, uma transformação radical – uma transformação no sentido do amor, da justiça e da paz.

O “Reino de Deus” exige também o “acreditar” no Evangelho. “Acreditar” é sobretudo, uma adesão total à pessoa de Jesus e ao seu projecto de vida.

O “discípulo” é alguém que está disposto a escutar o chamamento de Jesus, a acolher esse chamamento no coração e a seguir Jesus no caminho do amor e do dom da vida.

O “Reino” é uma realidade que Jesus começou e que já está decisivamente implantada na nossa história. Éuma realidade sempre em construção, sempre a fazer-se, até à sua realização final, no fim dos tempos, quando o egoísmo e o pecado desaparecerem para sempre. Em cada dia que passa, temos de renovar o compromisso com o “Reino” e empenharmo-nos na sua edificação.

Fonte:

Adaptação local de um texto de "dehonianos.org/portal/liturgia"

   

Sábado - II Semana –– Tempo Comum – Anos Pares 20 Janeiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
19Jan2018
| Escrito por assis
Sábado - II Semana –– Tempo Comum – Anos Pares 20 Janeiro 2018 Primeira leitura: 2 Samuel 1, 1-4.11-12.19.23-27 Saul é o fundo negro em que ressalta a figura de David. Já o vimos várias vezes. Hoje verificamo-lo novamente. Saul, devido à sua má conduta, foi abandonado e recusado por Deus (1 Sam 15). Hoje, executa-se a sentença (1 Sam 31). É o fim trágico de uma vida marcada por um destino sinistro e fatídico. David chora sinceramente a desgraça de Saul e do seu amigo Jónatas. Parece uma elegia guerreira, sem referências religiosas. Todos estes factos ilustram as vicissitudes do Povo de Israel, libertado do Egipto por Deus e sempre suspenso no fio da sua graça e do seu julgamento. A lamentação de David é uma tomada de consciência da não-redenção em que o povo, vítima dos filisteus, vive naquele momento. Por outro lado, a elegia revela a nobreza de alma do eleito do Senhor, preocupado com o seu povo, admitindo a relativa grandeza do seu adversário, capaz de ternura para com o amigo Jónatas. O Senhor escuta a lamentação como uma sentida invocação em momento de prova. Evangelho: Mc 3, 20-21 A presença e a actividade de Jesus adquirem notável ressonância. Mas essa ressonância não leva necessariamente à fé. Jesus tem de enfrentar as primeiras recusas, a começar pela dos seus familiares que decidem tomar medidas drásticas contra os embaraços que lhes estava a causar. A consanguinidade não é suficiente para criar sintonia com o Evangelho. O discípulo de Jesus também está sujeito a ser isolado e hostilizado, até pelos seus familiares. A primeira leitura, tendo como pano de fundo o ódio e a crueldade de Saul, realça a magnanimidade e a lealdade de David, um homem segundo o coração de Deus (cfr. Act 13, 13). Um mensageiro anuncia a David a morte de Saul e de Jónatas numa batalha contra os filisteus travada no monte Gelboé. Havia mais de um ano que David fugia de Saul, que via nele um perigoso rival, andando de terra em terra, e acabando por se refugiar na própria região dos inimigos de Israel, que eram os filisteus. Nesse momento, encontrava-se em Ciclag. A notícia da morte de Saul devia enchê-lo de alegria. Todavia David reage com uma dor profunda e sincera. Rasga as vestes em sinal de luto, chora, jejua, e entoa uma emocionante elegia: «A Honra de Israel pereceu sobre as colinas! Tombaram os heróis!… Saul e Jónatas, amados e gloriosos…tombaram… no campo de batalha! » (cfr. 2 Sam 1, 19-24). O sofrimento de David com a morte de Saul e de Jónatas vem na linha do respeito, da lealdade e da fidelidade ao rei, «ungido do Senhor», e da sincera amizade por Jónatas. Jamais o jovem filho de Jessé respondeu ao ódio com o ódio, à crueldade com a crueldade. Jónatas tornou-se o mais caro amigo de David: «Jónatas, meu irmão, que angústia sofro por ti! Como eu te amava! O teu amor era uma maravilha para mim mais excelente que o das mulheres» (2 Sam 1, 26). A verdadeira amizade tem como preço o dom de si mesmo e tem como ganho a experiência do amor. David, com a sua generosidade, com a sua magnanimidade, ensina-nos a viver como homens e mulheres «segundo o coração de Deus. O amor cristão não é algo de genérico, de vago. Dirige-se a pessoas muito concretas, com limites, defeitos e pecados. O próximo são aqueles que encontramos no caminho, talvez caídos e cobertos de chagas. O amor cristão vai até aos próprios inimigos: «Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem» (Mt 5, 44). Também quem professa a castidade consagrada não pode viver um amor desencarnado, um amor que corra o risco de não amar ninguém. A Sagrada Escritura diz-nos: "A doçura de um amigo dá segurança à alma" (Prov. 27, 9); "Um amigo fiel é uma protecção" (Sir 6, 5); "Por um amigo, podes perder dinheiro" (Sir 29, 20). Pensemos na amizade de Jónatas, que amava David como a si mesmo (cf. 1 Sam 18, 1-5; 20, 1-41). Pensemos no discípulo que Jesus amava (cf. Jo 13, 23). E pensemos em "Jesus (que) amava Marta, a sua irmã e Lázaro" (Jo 11, 5). Oratio Obrigado, Senhor, porque Te declaras meu amigo e me permites tratar-Te como amigo: «Já não vos chamo servos, mas amigos» (Jo 15, 15). Obrigado por todos os amigos que me tens dado e por todos quantos me convidas a amar, homens e mulheres. Os amigos fazem-me conhecer a mim mesmo, e fazem-me conhecer-Te a Ti. Obrigado pelas alegrias e pelos sofrimentos que vivemos juntos. Com eles, aprendi que a partilha multiplica os dons e que, dando generosamente, recebemos com abundância. Obrigado por cada um dos meus amigos, que têm sido presenças de luz e de esperança na minha vida. Lembra-te daqueles que ainda não experimentaram a amizade, ou que se sentiram atraiçoados pelos amigos. Que todos possam experimentar-Te como Amigo, sempre presente e fiel, sempre leal e generoso. Amen.
 

VI Feira-II Semana –– Tempo Comum – Anos Pares.19 Janeiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
18Jan2018
Actualizado em 18 Janeiro 2018 | Escrito por Assis

 

VI Feira-II Semana –– Tempo Comum – Anos Pares.19 Janeiro 2018 

 

Primeira leitura: 1 Samuel 24, 3-21

À medida que avançamos na leitura do primeiro livro de Samuel, verificamos que a figura de David é cada vez mais engrandecida, muitas vezes à custa da de Saul. É certo que também Saul pronuncia belas palavras sobre David: «É esta a tua voz, ó meu filho David?» E Saul elevou a voz, soluçando. 18E disse a David: «Tu portas-te bem comigo, e eu comporto-me mal contigo. 19Provaste hoje a tua bondade para comigo, pois o Senhor havia-me entregado nas tuas mãos e não me mataste». Mas faltou-lhe dar o último passo: libertar-se do ódio, da inveja e da sede de vingança, oferecendo a David o abraço da reconciliação.

O que faltou a Saul, superabundou em David: venceu Golias, triunfou nos campos de batalha, e triunfou sobre si mesmo ao controlar a paixão do ódio e da vingança até limites que suscitam comoção e emocionam. A nobreza e a magnanimidade de David são realmente notáveis. O contraste com Saul fica ainda mais evidente, mostrando a justeza do seu afastamento e da eleição do humilde filho de Jessé.

Evangelho: Mc 3, 13-19

Jesus forma a sua nova família, um grupo de pessoas dispostas a acolhê-lo, embora também elas devam ainda converter-se. Embora falemos de família, para acentuar a relação pessoal e afectiva que deve existir entre Jesus e os seus discípulos, o grupo apresenta uma valência estrutural mais ampla: são o novo Israel, os fundamentos da futura Igreja.

Tudo acontece sobre um «monte». Os montes são lugares propícios para as revelações de Deus (cf. 6, 43; 9, 2). As grandes decisões de Deus sobre o seu povo foram tomadas sobre os montes (cf. Ex 1, 20; 24, 12; Num 27, 12; Dt 1, 6-8, etc). Aqui é Cristo que chama, escolhe e constitui a comunidade. Marcos não diria isto, se não acreditasse que Jesus era Deus. O grupo é convocado para «ir ter com Ele» (v. 13 e, em primeiro lugar, para «estar com Ele» (v. 14).

O novo povo de Deus constitui-se à volta de Jesus, que se apresenta como referência absoluta, assumindo uma função que pertencia à Lei. Isto causava escândalo aos Judeus. Os discípulos recebem os próprios poderes de Jesus, actuando com a força do Evangelho. A vocação implica a missão, está em função dela.

David, perseguido por Saul, tem oportunidade de se vingar dele, matando-o. Mas respeita a sua dignidade e oferece-lhe mais uma oportunidade de reconciliação: «Deus me guarde de fazer tal coisa ao meu senhor, o ungido do Senhor, estender a minha mão contra ele, pois ele é o ungido do Senhor!… Se eu cortei a ponta do teu manto e não te matei, reconhece que não há maldade nem revolta contra ti. Não pequei contra ti e tu, ao contrário, procuras matar-me. Que o Senhor julgue entre mim e ti!».

O reconhecimento da dignidade do outro, dignidade querida por Deus, é a base da reconciliação, em qualquer conflito. David dá-nos também um belo exemplo de fidelidade, cheio de actualidade, num mundo onde a falta dela já quase não causa espanto. Mas Deus é fiel, e o homem, criado à imagem e semelhança de Deus, não pode deixar de ser fiel.

Os apóstolos, chamados a partilhar a vida e a missão de Jesus, aprenderão que a lealdade e a fidelidade comportam o dom de si mesmo. A lealdade e a fidelidade que, antes de serem virtudes cristãs, são virtudes humanas que libertam o homem dos caprichos dos seus instintos e das emoções passageiras. A fé leva-me a ser leal e fiel porque me revela a lealdade e a fidelidade de Deus.

Todo o cristão, e particularmente o religioso, deve "respeito" e "lealdade" para com os seus semelhantes e especialmente para com os seus superiores, ainda que nem sempre sejam modelos de virtude. A violência, mesmo contra os inimigos; o é uma atitude digna dos discípulos d´Aquele que disse: "Aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração" (Mt 11, 29). Muito menos digna será quando visar satisfazer a ânsia de domínio, privando os outros da sua liberdade, ou instrumentalizando-os para afirmação de si mesmo. É fechar-se no próprio egoísmo, sem reconhecer a dignidade humana dos outros, e despedaçando a verdadeira relação pessoal.

Fonte: adaptação local de um texto de "dehonianos.org/portal/liturgia"

   

Pág. 9 de 151