Quinta-feira - IV Semana –-Tempo Comum – Anos Pares - 1 Fevereiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
01Fev2018
| Escrito por Assis

 

Quinta-feira - IV Semana –-Tempo Comum – Anos Pares - 1 Fevereiro 2018

 Primeira leitura: 1 Reis 2, 1-4.10-12

Tal como os patriarcas e os grandes chefes de Israel, David, ao ver aproximar-se a morte, reúne os seus filhos para lhes ditar as últimas vontades e pronunciar sobre eles a bênção final (Gn 49; Dt 33; Jos 23-34; 1 Sam 12). Apesar dos seus erros e pecados, David «seguiu os caminhos do Senhor» e pôde juntar-se aos seus pais, de acordo com as expressões do Deuteronómio de dos livros históricos (v. 10).

A permanência de Salomão no trono fica condicionada à observância dos mandamentos e preceitos da Lei de Moisés, enquanto na formulação da profecia de Natan não havia quaisquer condições (cf. 2 Sam 7, 14-16). Deduz-se, por isso, que o nosso texto foi composto durante o exílio e constitui um chamamento implícito à conversão. Os desterrados deviam saber que a restauração da monarquia, e a continuidade dinástica estavam condicionadas ao cumprimento das cláusulas da Aliança.

Evangelho: Mc 6, 7-13

A proclamação do reino não se faz de modo ocasional. Jesus cria uma «instituição» que põe em movimento e planifica o anúncio da Boa Nova. São os Doze que, depois da visita a Nazaré, Jesus envia em missão, dando-lhes os seus próprios poderes (cf. v. 7).
Distinguimos no texto três momentos:

-no primeiro, Jesus dá orientações quanto ao estilo de vida dos missionários: não devem levar provisões, mas confiar na generosidade daqueles a quem se dirigem;

- o terceiro momento é o da execução: os discípulos partem, pregam a conversão, fazem exorcismos e curas com sucesso (vv. 12s.).

Contentar-se com o essencial da vida, que se apoia na absoluta confiança no Senhor, é condição indispensável para estar ao serviço da Palavra. Isto tem a ver com cada um dos missionários, mas também com a própria Igreja que, não só há-de ser Igreja dos pobres, mas também Igreja pobre.

David, antes de dar ao filho Salomão orientações sobre o modo de tratar os inimigos do reino, recomenda-lhe a obediência fiel aos preceitos da Lei, única condição para o sucesso de qualquer empresa em que se venha a meter.

Num mundo que pretende organizar-se como se Deus não existisse, os crentes hão-de fazer-se eco desta advertência de David a Salomão. Num mundo de abundância, é fácil, para os próprios crentes, esquecer-se do essencial. A pressão dos media também pode levar-nos a orientar a nossa vida pelos lugares comuns em voga, ou a deixar-nos guiar por sondagens televisivas, quando ordenamos a nossa escala de valores.

Bem diferentes são os parâmetros propostos pelas leituras de hoje. Escutámos as recomendações de David a Salomão. Mas também Jesus, no evangelho, manda aos discípulos dispensar coisas que nos parecem indispensáveis. Nas suas viagens missionárias não hão-de levar «nem pão, nem alforge, nem dinheiro no cinto». Podem ir «calçados com sandálias» mas não devem levar «duas túnicas» (cf. Mc 6, 8-9).

É verdade que precisamos de alimentação e de umas tantas coisas para sobrevivermos. É verdade que a saúde, a família e o trabalho são importantes. Mas nada disso se há-de sobrepor a Deus. Nada disso se há-de sobrepor ao Reino e à missão que nele nos é confiada. Nada disso é condição indispensável para ser discípulos do Senhor ou para O servir. Em vez de nos desculparmos com essas necessidades e com esses valores para não nos comprometermos no voluntariado, para não darmos o devido tempo à oração, para não nos dedicarmos o tempo ao serviço dos irmãos e ao apostolado, procuremos primeiro a palavra do Senhor, e tudo o resto virá por acréscimo.

O valor do homem não está em "ter" muito, mas no "ser", e o "ser" do homem é tanto mais perfeito quanto mais experimenta que «só Deus basta» e vive na sua intimidade: "Procurai primeiro o Reino dos Céus e tudo o resto vos será dado por acréscimo" (Mt 6, 33).

Este ensinamento de Jesus torna-se eficaz quando é testemunhado com a vida, quando um cristão demonstra, com a sua existência, que se torna cada vez mais pessoa humana, prescindindo de tantos bens, que os homens consideram indispensáveis. Se esse cristão for também religioso e missionário, o absoluto de Deus, o desapego dos bens e a confiança na Providência divina, não só devem ser realidades, mas também aparecer como tais aos olhos dos outros cristãos. Se assim não for, o religioso, o missionário, podem tornar-se contra-testemunho.


E também não basta o testemunho pessoal deste ou daquele religioso, deste ou daquele missionário. É indispensável o testemunho comunitário, o testemunho das próprias comunidades eclesiais.

Senhor, quando devo partir em missão, faço uma lista de muitas coisas a levar, porque as julgo necessárias. Hoje, Tu confundes-me, apresentando-me uma lista… do que não devo levar. Eu sei que não me queres desmazelado, mas apenas ensinar-me que não devo preocupar-me com demasiadas coisas… para não esquecer a confiança em Ti. Além disso, se aqueles a quem me envias me vissem excessivamente preocupado comigo mesmo, a minha pregação seria um contra-testemunho.

Se me vissem utilizar meios poderosos, poderia tornar-se menos visível o poder da tua graça. Por isso, Te peço: afasta de mim a tentação de pôr a segurança da minha vida e o êxito da minha missão nas coisas ou nos meios a utilizar. Que eu me abra a Ti com um coração cada vez mais livre.

Nosso Senhor indica aos apóstolos três condições requeridas para o sucesso da sua missão. A primeira é o espírito de desinteresse. «Recebestes gratuitamente, dai gratuitamente». Que os vossos ouvintes vejam que não é por ganho, mas pela salvação das almas e pela felicidade dos homens que trabalhais.

A segunda é o desapego das coisas da terra e o amor da santa pobreza: «Não leveis convosco nem ouro nem provisões».

A terceira é a mais inteira confiança nos cuidados e na protecção da divina Providência: «O trabalhador tem direito ao seu alimento». Estas condições são ainda hoje as do sucesso.

Fonte: resumo e adaptação local de um texto de “dehonianos.otg/portal/liturgia

 

Quarta-feira -IV Semana –– Tempo Comum – Anos Pares - 31 Janeiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
30Jan2018
| Escrito por Assis

 

Quarta-feira -IV Semana –– Tempo Comum – Anos Pares - 31 Janeiro 2018

Primeira leitura: 2 Samuel 24, 2.8b-17

O recenseamento do povo, por David, é um pecado porque, com ele, o rei mostra confiar mais nos efectivos humanos do que em Deus. Por isso é que o rei sente remorsos e o profeta Gad anuncia um castigo. David pode escolher entre uma das três punições previstas pela Lei para quem atraiçoe a Aliança (cf. Dt 28, 21-26). David prefere a peste à guerra porque, um castigo vindo da mão de Deus, permite esperar na misericórdia divina (v. 14). De facto, Deus sente compaixão por Jerusalém, e poupa-a (v. 17). O próprio rei intercede pelo povo inocente, e assume as responsabilidades pelo sucedido (v. 1).

Vemos, neste relato, a dialéctica da história da salvação: pecado, castigo, arrependimento, perdão. Vemos também nele a doutrina da retribuição colectiva: a conduta de uma pessoa pode repercutir-se, para o bem e para o mal, em toda a comunidade. Essa repercussão acentua-se se a pessoa em causa tiver responsabilidades em relação à comunidade, por exemplo, se for rei. Foi David que pecou; mas o castigo ameaça todo o povo.

Na primeira leitura, Deus sugere a David um recenseamento (2 Sam 24, 1). O Primeiro Livro das Crónicas atribui essa ideia a Satanás (1 Cr 21, 1). Na verdade, estamos perante uma leitura teológica: Satanás não é mais do que um instrumento nas mãos de Deus (cf. Jb 1, 6), por meio do qual põe à prova a fé dos seus.

Deus julga obedecer a uma sugestão vinda de fora dele; na verdade apenas obedece à sua sede de poder que o leva a tentar controlar o povo. Esquece que não é o dono, mas apenas o administrador do Povo de Deus.

Para David, como para os nazarenos, a questão está em deixar-se conduzir pela palavra de Deus, sem querer saber mais ou julgar se no filho de um carpinteiro se pode ou não manifestar a Sabedoria de Deus.

Evangelho: Mc 6, 1-6

Depois de apresentar alguns milagres de Jesus, Marcos abre uma nova secção do seu evangelho para falar de uma série de viagens, dentro e fora da Galileia. Começa por ir à «sua terra», a Nazaré e, em dia de sábado, entra na sinagoga. Usa o direito de comentar a Escritura na sinagoga, que era reconhecido a qualquer homem adulto.

Mas a sua doutrina é diferente da dos outros rabis. Marcos não cita, ao contrário de Lucas (4, 17ss.) os versículos de Isaías lidos por Jesus. Mas regista o espanto de quantos o ouviram. Esse espanto era motivado pela origem das palavras pronunciadas por Jesus, pela sabedoria que demonstrava e pelos prodígios que fazia. Tudo parecia estar em contradição com o conhecimento que tinham dele e da sua família. Mas é nesta contradição que se revela a verdadeira identidade de Jesus (v. 3). Também os profetas foram muitas vezes perseguidos por aqueles que tinham maior obrigação de os compreender (v. 4). A falta de fé dos seus conterrâneos impede Jesus de fazer entre eles milagres e prodígios, como tinha feito noutras terras.

S. Marcos apresenta-nos o episódio de Jesus na sinagoga de Nazaré, sublinhando a incredulidade dos seus conterrâneos. Estes conheciam bem Jesus e a sua família. E não são capazes de se abrir à novidade que Deus coloca diante deles. Jesus devia continuar a ser o que sempre fora. Por isso, não aceitam os seus milagres nem a sua pregação.

Esta tentação pode atingir, ainda hoje, a comunidade dos discípulos, seja no seu conjunto, seja nas comunidades particulares. Se Jesus, pelo seu Espírito, surpreende com novas iniciativas, facilmente se levantam oposições, porque se pensa que tudo deve continuar como sempre foi. E assim se impede o Senhor de realizar todos os prodígios que pode e quer fazer entre nós.

As palavras e as acções proféticas de Jesus desencadeiam uma oposição violenta da parte dos nazarenos. Jesus, como israelita conhecedor da história do seu povo, não se espanta e, serenamente, afirma: «Nenhum profeta é bem recebido na sua pátria» (Lc 4, 24).

Também os discípulos de Jesus se encontram numa situação parecida com a de Jesus. Sendo discípulos, julgam saber tudo sobre Ele. É por isso que as nossas comunidades cristãs, tantas vezes, já quase não escutam a sua palavra. Sabem-na de cor. Já não lhes causa espanto. Já não os interpela. Mas, se interpela, arranjam mil e uma desculpa para não se moverem, não se renovarem. Quantas vezes, também nos nossos dias, as vozes proféticas são silenciadas!


A fé verdadeira leva a reconhecer que Jesus é o enviado de Deus, que traz toda a novidade e revela toda a criatividade de Deus. Por isso, pode surpreender-nos a cada momento, fazer coisas novas, graças à sabedoria e ao poder do Pai. A história da Igreja é bem elucidativa de tudo isto.

Senhor, suscita em mim a atitude da verdadeira fé. Perdoa o meu orgulho, os meus preconceitos, que me impedem tantas vezes de Te reconhecer e reconhecer a tua acção à minha volta. Pretendo controlar os acontecimentos e escandalizo-me quando as coisas não correm conforme as minhas previsões.
Muitas vezes penso que estás longe, que não me escutas. Mas sou eu que ando afastado de Ti e surdo às tuas palavras. Por isso, não podes fazer prodígios em meu favor. Não podes perdoar-me, porque não reconheço o meu pecado.
Vem, Senhor, em meu auxílio. Eu sei que estás perto, que me queres surpreender com as tuas palavras e com as tuas iniciativas maravilhosas. Que me encontres atento e disponível. 

Fonte:

 Resumo e adaptação local de um texto de "dehonianos.org/portal/liturgia".
   

Terça-feira – IV Semana –Tempo Comum – Anos Pares 30 Janeiro 2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
29Jan2018
| Escrito por Assis

 

Terça-feira – IV Semana –Tempo Comum – Anos Pares

30 Janeiro 2018

Primeira leitura: 2 Samuel 18, 9-10.14b.24-25ª.30 – 19, 3

Já na fase da decadência do reino, David enfrenta a revolta do seu filho Absalão. Desejando dominar a revolta, David pede que seja poupada a vida do filho. Mas o jovem, ao fugir, fica pendurado nos ramos de um carvalho e é morto por Joab que, com isso, pensa agradar ao rei.

A liturgia apenas nos faz escutar alguns versículos desta dramática narrativa. David espera novidades da frente de batalha. Os servos começam por lhe dar as boas notícias. O drama explode quando, a uma pergunta directa do rei, têm de lhe comunicar a morte do filho.

David desata a chorar amargamente. O filho, morto em combate, já não é um inimigo, mas um simples rapaz. O júbilo da vitória transformou-se em luto intenso. David tinha perdoado a vida a Saul (1 Sam 24 e 26); como não havia de perdoar ao filho?
O mais específico, mas também o mais difícil do cristianismo, é o perdão dos inimigos: «Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, abençoai os que vos amaldiçoam, rezai pelos que vos caluniam… Se amais os que vos amam, que agradecimento mereceis? Os pecadores também amam aqueles que os amam…Também os pecadores fazem o mesmo». Neste sentido, David foi um cristão antes do cristianismo.

O amor de David para com o seu filho Absalão dá-nos uma ideia, ainda que pálida do amor de Deus, nosso Pai, para com todos os seus filhos, ainda que pecadores. Ao receber a notícia da morte de Absalão, David não pensa na revolta, na ingratidão, na falta de amor do filho. Pensa no jovem Absalão, que já não é um inimigo, mas um pobre rapaz, um filho morto. Por isso, chora a
amargamente e a vitória transforma-se em luto pesado.
É assim que Deus trata os seus filhos pecadores: «É assim que Deus demonstra o seu amor para connosco: quando ainda éramos pecadores é que Cristo morreu por nós» (Rom 5, 8). Diante dos filhos mortos pelo pecado, Deus como que Se esquece de Si e dos seus direitos para os fazer voltar à vida.

 Evangelho: Mc 5, 21-43

Marcos apresenta-nos, hoje, dois gestos decisivos de Jesus contra a morte: a cura da mulher que sofria de um fluxo de sangue e a cura da filha de Jairo. A perda de sangue era, para a mulher hebreia, uma frustração vital, porque, não poder ter descendência, equivalia à morte prematura (cf. Gen 30, 1). A filha de Jairo estava mesmo morta e teve que ser «ressuscitada». Jesus livra ambas da morte mostrando que é o verdadeiro Messias, porque a sua palavra suscita vida.
Os dois episódios estão entrelaçados um no outro, revelando pontos de contacto e diferenças. No caso da filha de Jairo, a súplica do pai recebe uma resposta pronta de Jesus, que imediatamente se dirige para sua casa. Mas a caminhada é abruptamente interrompida com a intervenção da mulher que sofria do fluxo de sangue. Contrasta o comportamento de Jairo, homem influente, e o da hemorroíssa que se aproxima furtivamente de Jesus. Ambos têm a mesma confiança em Jesus e obtêm uma resposta pronta:

A mulher, primeiro é secretamente curada da sua doença física; depois é curada da sua timidez, dos seus complexos: a mulher ganha coragem, fala com Jesus, estabelece uma relação com Ele. Foi curada e foi salva.

No caso da menina, Jesus tem uma reacção diferente: enquanto tinha incitado a mulher, que se apresentara em segredo, a mostrar-se diante de todos, aqui ordena a Jairo, que fizera publicamente o seu pedido, que não divulgasse o milagre.

O evangelho está cheio de lições muito concretas para nós. Aqueles que se dirigem a Jesus, para obter graças, fazem-no de diversos modos. Jesus também responde de diferentes modos. Por vezes, parece não querer ouvir quem lhe faz a súplica. Outras vezes, antecipa-se a conceder a graça, ainda antes que alguém lha peça.

Jairo, um homem importante, não hesita em pedir, com humildade, a cura da filha.

A hemorroíssa, pelo contrário, tem vergonha em pedir, porque a sua doença a excluía do contacto com os outros. Além disso, temia mais uma desilusão, depois de tantas que tivera com os médicos.

Jesus atende-os os dois, porque ambos revelam uma grande fé. Mas trato-os de modo diferente. Obriga a mulher a dar a cara, talvez para ensinar que nenhuma doença, nenhuma condição humana, são motivo de exclusão, e que basta a fé para ser curado por Ele. Jairo, pelo contrário, ocupando um lugar de prestígio na sociedade, é, por assim dizer, convidado à sobriedade e à reserva: poucos discípulos assistem à ressurreição da menina, e Jairo não deve fazer publicidade do facto. Estando em causa uma criança, era preciso respeitar-lhe os sentimentos, evitar os excessos da curiosidade pública, e fazê-la voltar rapidamente a uma vida normal: «mandou dar de comer à menina».
O evangelho dá-nos lições de respeito pela privacidade das pessoas…


Quanta felicidade sinto em ser filho do Pai que está no Céu. Mas sou ainda mais feliz quando penso que “Deus mostrou o Seu amor por nós porque, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós” (Rm 5, 8). Amou-nos quando “éramos (Seus) inimigos!” (Rm 5, 10). Então sinto uma ilimitada gratidão no coração por Deus-Pai, por Cristo e sinto-me tão feliz que, como S. Paulo, exclamo: “Cristo veio ao mundo para salvar os pecadores e eu sou o primeiro” (Tm 1, 15).
A Igreja, Povo de Deus, é comunidade-comunhão, que não pode comportar qualquer tipo de exclusão. A sua lei fundamental, o amor, implica respeito pela dignidade de todo o ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus. O amor, sobre o qual se funda a comunhão, é o amor-oblativo, idêntico ao do Pai e de Cristo, um amor criativo, gratuito, universal, que sabe compreender, perdoar, salvar, transformar…

Senhor Jesus, dá-me a fé e a confiança da mulher doente, e a humildade de Jairo, para que, indo ao teu encontro e procurando tocar-te e falar-te, me deixe tocar por Ti e escute a tua palavra salvadora. Tu sabes bem do que eu preciso. Derrama sobre mim o amor e a misericórdia do Pai. O teu poder venceu a morte e deu-nos a vida. Cura em mim tudo quanto me impede de viver com a dignidade de um filho do Pai que está no Céu. Dá-me a vida, para que a tenha em abundância.

Fonte: resumo e adaptação de um texto de "dehonianos.org/portal/liturgia"
 

4º Domingo do Tempo Comum – Ano B. 28.01.2018

PDFVersão para impressãoEnviar por E-mail
27Jan2018
| Escrito por Assis

4º Domingo - Tempo Comum – Ano B - 28 Janeiro 2018

A liturgia deste Domingo garante-nos que Deus não se conforma com os projectos de egoísmo e de morte que desfeiam o mundo e que escravizam os homens e afirma que Ele encontra formas de vir ao encontro dos seus filhos para lhes propor um projecto de liberdade e de vida plena.

LEITURA I – Deut 18,15-20

A primeira leitura propõe-nos – a partir da figura de Moisés – uma reflexão sobre a experiência profética. O profeta é alguém que Deus escolhe, que Deus chama e que Deus envia para ser a sua “palavra” viva no meio dos homens. Através dos profetas, Deus vem ao encontro dos homens e apresenta-lhes, de forma bem perceptível, as suas propostas.

A vocação profética é uma vocação que surge por iniciativa de Deus. Ninguém é profeta por escolha própria, mas porque Deus o chama. O profeta tem de ter consciência, antes de mais, que é Deus quem está por detrás da sua escolha e do seu envio. O profeta não pode assumir uma atitude de arrogância e de auto-suficiência, mas tem de se sentir um instrumento humilde através do qual Deus age no mundo.

O profeta descobre a necessidade de levar muito a sério a missão que lhe foi confiada. O testemunho profético não é um passatempo ou um compromisso para as horas vagas; está fora de causa o cruzar os braços e deixar correr. Trata-se de um compromisso que deve ser assumido e vivido com fidelidade absoluta e total empenho.

Ele não pode utilizar a missão em benefício próprio; não deve ceder à tentação de se vender aos poderes do mundo e pactuar com eles, a fim de concretizar a sua sede de poder e de protagonismo, não pode “vender a alma ao diabo” para daí tirar algum benefício, não deve utilizar o seu ministério para se exibir, para ser admirado, para conseguir sucesso, para promover a sua imagem e obter os aplausos das multidões. A missão profética tem de estar sempre ao serviço de Deus, dos planos de Deus, da verdade de Deus, e não ao serviço de esquemas pessoais, interesseiros e egoístas.

LEITURA II – 1 Cor 7, 32-35

A segunda leitura convida os crentes a repensarem as suas prioridades e a não deixarem que as realidades transitórias sejam impeditivas de um verdadeiro compromisso com o serviço de Deus e dos irmãos.

Não se trata de propor uma evasão do mundo e uma espiritualidade descarnada, insensível, alheia ao amor, à partilha, à ternura; mas trata-se de avisar que as realidades desta terra não podem ser o objectivo final e único da vida do homem. Esta reflexão convida-nos a repensarmos as nossas prioridades, e a não ancorarmos a nossa vida em realidades transitórias.

A virgindade consagrada, por amor do Reino, nem sempre é um valor compreendido, à luz dos valores da nossa sociedade. Paulo, contudo, sublinha o valor da virgindade como valor autêntico, pois anuncia o mundo novo que há-de vir e disponibiliza para o serviço de Deus e dos irmãos. É sinal de desprendimento, de doação, de disponibilidade e deve ser positivamente valorizada. Aqueles que são chamados a viver dessa forma não são gente estéril e infeliz, alheia às coisas bonitas da vida, mas são pessoas generosas, que renunciaram a um bem (o matrimónio) em vista da sua entrega a Deus e aos outros.

EVANGELHO – Mc 1, 21-28.

Evangelho mostra como Jesus, o Filho de Deus, cumprindo o projecto libertador do Pai, pela sua Palavra e pela sua acção, renova e transforma em homens livres todos aqueles que vivem prisioneiros do egoísmo, do pecado e da morte.

O “homem com um espírito impuro” representa todos os homens e mulheres, de todas as épocas, cujas vidas são controladas por esquemas de egoísmo, de orgulho, de auto-suficiência, de medo, de exploração, de exclusão, de injustiça, de ódio, de violência, de pecado.

É essa humanidade prisioneira de uma cultura de morte, que percorre um caminho à margem de Deus e das suas propostas, que aposta em valores efémeros e escravizantes ou que procura a vida em propostas falíveis ou efémeras.

O Evangelho de hoje garante-nos, porém, que Deus não desistiu da humanidade, que Ele não Se conforma com o facto de os homens trilharem caminhos de escravidão, e que insiste em oferecer a todos a vida plena.

Para Marcos, a proposta de Deus torna-se realidade viva e actuante em Jesus. Ele é o Messias libertador que, com a sua vida, com a sua palavra, com os seus gestos, com as suas acções, vem propor aos homens um projecto de liberdade e de vida. Ao egoísmo, Ele contrapõe a doação e a partilha; ao orgulho e à auto-suficiência, Ele contrapõe o serviço simples e humilde a Deus e aos irmãos; à exclusão, Ele propõe a tolerância e a misericórdia; à injustiça, ao ódio, à violência, Ele contrapõe o amor sem limites; ao medo, Ele contrapõe a liberdade; à morte, Ele contrapõe a vida.

Os discípulos de Jesus são as testemunhas da sua proposta libertadora. Eles têm de continuar a missão de Jesus e de assumir a mesma luta de Jesus contra os “demónios” que roubam a vida e a liberdade do homem, que introduzem no mundo dinâmicas criadoras de sofrimento e de morte. Ser discípulo de Jesus é percorrer o mesmo caminho que Ele percorreu e lutar, se necessário até ao dom total da vida, por um mundo mais humano, mais livre, mais solidário, mais justo, mais fraterno. Os seguidores de Jesus não podem ficar de braços cruzados, a olhar para o céu, enquanto o mundo é construído e dirigido por aqueles que propõem uma lógica de egoísmo e de morte; mas têm a grave responsabilidade de lutar, objectivamente, contra tudo aquilo que rouba a vida e a liberdade ao homem.

O texto refere o incómodo do “homem com um espírito impuro”, diante da presença libertadora de Jesus. O pormenor faz-nos pensar nas reacções agressivas e intolerantes – por parte daqueles que pretendem perpetuar situações de injustiça e de escravidão – diante do testemunho e do anúncio dos valores do Evangelho. Apesar da incompreensão e da intolerância de que são, por vezes, vítimas, os discípulos de Jesus não devem deixar-se encerrar nas sacristias, mas devem assumir corajosamente e de forma bem visível o seu empenho na transformação das realidades políticas, económicas, sociais, laborais, familiares.

A luta contra os “demónios” que desfeiam o mundo e que escravizam os homens nossos irmãos é sempre um processo doloroso, que gera conflitos, divisões, sofrimento; mas é, também, uma aventura que vale a pena ser vivida e uma luta que vale a pena travar. Embarcar nessa aventura é tornar-se cúmplice de Deus na construção de um mundo de homens livres.

Fonte: resumo e adaptação local de um texto de “dehonianos.org/portal/liturgia”

   

Pág. 7 de 151